Cinco feridos em incêndio na prisão de Alcoentre

Três guardas e dois reclusos assistidos no local

Um incêndio ao final da tarde de hoje no Estabelecimento Prisional de Alcoentre, concelho da Azambuja, causou cinco feridos, disse à Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Lisboa.

"Recebemos o alerta às 19:02. Tratou-se de um incêndio na ala central do Estabelecimento Prisional de Alcoentre, no primeiro piso, que já foi extinto", disse à agência Lusa fonte do CDOS, cerca das 20:00.

Segundo a mesma fonte, da ocorrência resultaram cinco vítimas, três guardas e dois reclusos, que estão a ser assistidos no local, não tendo sido revelada a gravidade dos ferimentos.

Estiveram no local 44 operacionais e 18 viaturas dos bombeiros de Alcoentre, Azambuja, Alenquer, Rio Maior e Cadaval, além do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.