Chefes de equipa de São José vão "com urgência" ao Parlamento

Audição foi aprovada por unanimidade. Médicos demitiram-se em protesto contra a falta de segurança no serviço de urgências do hospital

Os chefes de equipa de São José que se demitiram vão ao Parlamento "com urgência" explicar as denúncias sobre problemas no hospital. O requerimento do Bloco de Esquerda para ouvir os especialistas de Medicina e Cirurgia Geral foi aprovado esta quarta-feira por unanimidade.

Quinze dos 16 responsáveis dos dois serviços do Centro Hospitalar Lisboa Central - um deles não terá assinado o pedido de demissão, por ser também chefe da urgência - apresentaram as suas renúncias aos cargos na passada semana. Os médicos argumentam que as Urgências do Hospital São José não têm níveis de segurança aceitáveis.

No texto, os chefes de equipa dizem mesmo que o serviço fica muitas vezes entregue a um interno. Alertam ainda para a falta de profissionais em medicina interna, cirurgia geral e noutras especialidades, falam da falta de contratação de médicos mais jovens e da saída precoce de muitos especialistas e sublinham a perda de idoneidades formativas do centro hospitalar.

"Estamos a falar de um hospital central, que presta dos cuidados mais diferenciados do país, com serviço de urgência polivalente, e para o qual são encaminhados doentes de vários outros hospitais, principalmente os casos mais complicados", lembra o Bloco de Esquerda, no requerimento onde pedia a ida dos médicos à comissão parlamentar de Saúde. "As denúncias feitas pelos chefes de equipa demissionários são, por isso, particularmente graves e devem ser escalpelizadas, nomeadamente pelo Parlamento".

As denúncias feitas pelos chefes de equipa demissionários são, por isso, particularmente graves e devem ser escalpelizadas, nomeadamente pelo Parlamento

Os médicos demissionários serão agora contactados pelos serviços do Parlamento, para que a sua audição "tenha lugar com a máxima urgência possível".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.