Chefes de equipa da MAC deixam de fazer horas extra dentro de duas semanas

Uma das chefes de equipa da Maternidade Alfredo da Costa disse à Lusa que se a situação não se alterar, dentro de duas semanas os chefes de equipa vão cumprir a lei e deixar de fazer períodos noturnos e urgências

Chefes de equipa de ginecologia e obstetrícia da Maternidade Alfredo da Costa anunciaram que deixam de fazer horas extraordinárias dentro de duas semanas, tornando "inoperacional o serviço de urgência", se não for resolvida a falta de pessoal.

A informação foi dada à Lusa por uma das chefes de equipa que esta quarta-feira pediu a demissão, Teresinha Simões.

Os chefes de equipa de urgência da Maternidade Alfredo da Costa (MAC) apresentaram esta quarta-feira uma carta de demissão à administração mas esta disse depois que a situação "está controlada e ultrapassada".

Os profissionais que assinaram e entregaram a carta queixam-se da falta de recursos humanos e dizem que estão exaustos.

Teresinha Simões, uma das chefes de equipa que assinou a carta, disse esta quarta-feira à Lusa que "obviamente a situação não está controlada e ultrapassada", que a carta de demissão se mantém, e que, se a situação não se alterar, dentro de duas semanas os chefes de equipa vão cumprir a lei e deixar de fazer períodos noturnos e urgências.

"Estamos a fazer 12 horas extraordinárias todas as semanas e a ultrapassar o nosso limite e a nossa capacidade"

A responsável explicou à Lusa que, devido à idade, os profissionais podiam deixar de fazer horas extraordinárias.

"Todos já teríamos direito a não fazer noites e continuamos a fazê-lo, todos os chefes de equipa. E muitos podem nem fazer sequer qualquer urgência, porque têm mais de 55 anos", explicou.

Segundo Teresinha Simões, dos oito chefes de equipa de urgência apenas um tem menos de 55 anos.

Teresinha Simões adiantou à Lusa que houve uma reunião com a direção mas que "na prática não foi dado nada" porque foram "prometidas as mesmas coisas que andam a prometer há meses", na sequência de alertas de que "a situação não pode continuar", que tem de ser contratadas mais pessoas, tanto de pessoal de enfermagem como de pessoal médico.

"Estamos a fazer 12 horas extraordinárias todas as semanas e a ultrapassar o nosso limite e a nossa capacidade", alertou na conversa com a Lusa.

Foi proposto aos chefes de equipa fazerem urgências com quatro pessoas nuns dias e cinco noutros, quando habitualmente são sete, o que é "incomportável na Alfredo da Costa"

Teresinha Simões disse que, apesar da carta, "naturalmente" os chefes de equipa vão continuar a trabalhar porque não podem deixar de o fazer "de um dia para o outro", e explicou que apenas retiram o pedido de demissão com dados concretos e não "com promessas".

E disse também que foi proposto aos chefes de equipa fazerem urgências com quatro pessoas nuns dias e cinco noutros, quando habitualmente são sete, o que é "incomportável na Alfredo da Costa, com o movimento e patologia que tem".

"Com esse número de pessoas, se tivermos duas cesarianas ao mesmo tempo não temos rigorosamente mais ninguém", alertou.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.