Chefe do SEF de Albufeira suspenso de funções e sujeito a apresentações diárias

Chefe do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras em Albufeira foi detido, esta quinta-feira, por suspeitas de receber dinheiro de estrangeiros para conceder autorizações de residência em Portugal

O chefe da delegação do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) em Albufeira, detido na quinta-feira por suspeitas de corrupção, foi suspenso de funções, proibido de contactar estrangeiros e sujeito a apresentações diárias na GNR, disse hoje fonte policial.

A aplicação das medidas de coação foi feita hoje pelo Tribunal de Faro, no final do primeiro interrogatório judicial ao detido, Joaquim Patrício, de 56 anos, que chefiava a delegação de Albufeira do SEF e, de acordo com a Polícia Judiciária, recebia "presumivelmente quantias monetárias de estrangeiros para a concessão de autorização de residência em Portugal".

O arguido foi detido pela Polícia Judiciária na quinta-feira de manhã e recolheu ao Estabelecimento Prisional de Faro, tendo sido ouvido durante a tarde por um juiz de instrução do Tribunal de Faro, que não considerou necessária a aplicação da medida de coação mais gravosa prevista, a prisão preventiva.

A investigação teve por base uma participação do próprio SEF, "entidade que colaborou estreitamente com a Polícia Judiciária no decorrer de todas as diligências", referiu a PJ em comunicado divulgado na quinta-feira.

A detenção foi feita através da diretoria do sul e em cumprimento de mandado de detenção emitido pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Faro.

Contactado pela Lusa, o presidente do sindicato que representa os inspetores do SEF, Acácio Pereira, referiu que neste âmbito é "fundamental a presunção de inocência", frisando que não compactua com qualquer "tipo de ilícitos" e que se "deve averiguar [a suspeita] até ao mais ínfimo pormenor".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.