São já 18 quilómetros de fila na A2 junto a Marateca

Trânsito condicionado por um acidente de viação, depois do almoço, envolveu quatro carros, e do qual não resultaram quaisquer feridos. Regresso de férias de milhares de pessoas está a dificultar escoamento à entrada de Lisboa

A fila causada por um acidente de trânsito na Autoestrada 2 (A2) aumentou e são já 18 quilómetros de fila, no sentido sul - norte, entre Alcácer do Sal e até depois da Marateca.

Fonte do Comando-Geral da GNR explicou ao DN, que o acidente de viação, envolvendo quatro viaturas, sem feridos, ao quilómetro 61 da A2, na zona de Alcácer do Sal, deu origem a mais de 18 quilómetros (perto das 19:00) de fila, que se prolonga até à Marateca, concelho de Palmela, distrito de Setúbal.

Segundo a mesma fonte, o trânsito está condicionado, pois circula-se apenas numa das três vias da A2, e promete continuar, apesar de as viaturas envolvidas no acidente já terem sido retiradas e feitos os trabalhos de limpeza da via. "O trânsito mantém-se congestionado e a fila aumentou, apesar de o trânsito já fluir. Como há muita gente a regressar das férias no Algarve a situação ganhou dimensões fora do normal, é esperado que só por volta das 23.00 horas a situação normalize", disse ao DN fonte do Comando-Geral da GNR.

A colisão entre as quatro viaturas, ocorrida na tarde de hoje, causou apenas danos nas viaturas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.