Cem anos depois, Lisboa parou para homenagear os antigos militares da Grande Guerra

Este domingo, a Avenida da Liberdade fechou para receber as comemorações do centenário do Armistício da I Guerra Mundial.

Cerca de 4600 antigos combatentes e 11 aeronaves militares desfilam nesta manhã de domingo na Avenida da Liberdade, em Lisboa. O Presidente da República, o primeiro-ministro e o presidente da Assembleia da República marcaram presença nas celebrações, ao lado de ex-militares da Marinha, do Exército, da Força Aérea, da Guarda Nacional Republicana, polícias da Polícia de Segurança Pública e alunos do Colégio Militar e dos Pupilos do Exército, oriundos de Portugal, mas também da Alemanha, França, Estados Unidos e Reino Unido.

Marcelo Rebelo de Sousa presidiu o evento e já teceu as suas primeiras declarações.

Na capital, celebra-se este domingo os 100 anos desde o fim da Grande Guerra, a 11 de novembro de 1918.

Portugal esteve representado na I Guerra Mundial ao lado dos aliados. Os soldados portugueses estiveram na frente de Angola, em 1914-1915, em Moçambique, entre 1914 e 1918, e em França, em 1917 e 1918.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.