Casal de Évora detido por abuso sexual da filha de três anos

Homem de 36 anos e mulher de 26 ficaram em prisão preventiva. Estão indiciados por dois crimes de abuso sexual, ocorridos entre setembro de 2017 e abril passado

Um casal de Évora foi detido pela Polícia Judiciária por suspeitas de abuso sexual da filha de três anos. O homem de 36 anos e a mulher de 26 ficaram em prisão preventiva após terem sido ouvidos por um juiz na terça-feira. O magistrado suspendeu também o exercício das responsabilidades parentais aos dois arguidos.

"Há suspeitas de os arguidos, em duas ocasiões, entre setembro de 2017 e aril de 2018, terem abusado sexualmente da filha de ambos e que com eles residia. A vítima tinha 3 anos de idade quando sofreu os primeiros abusos", informa o Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Évora, onde o inquérito é dirigido pela 1º secção. Em causa está prática de crimes de abuso sexual de crianças agravado.

Perigo de continuação do crime

A detenção efetuou-se na segunda-feira e os dois suspeitos foram presentes a tribunal na terça-feira. O juiz de instrução decretou a suspensão do exercício das responsabilidades parentais aos dois arguidos e a sua prisão preventiva "por se entender verificar-se, em concreto, perigo de perturbação do decurso do inquérito, perigo de continuação da atividade criminosa e perigo de perturbação da ordem e tranquilidade públicas". O inquérito prossegue na 1.ª secção do DIAP de Évora, com a colaboração da Polícia Judiciária de Évora.

No passado mês de junho a PJ do Porto deteve também um casal por abuso sexual de uma menor, em Paços de Ferreira. A mãe e o padrasto forçavam uma adolescente de 14 anos a práticas sexuais. Ficaram ambos em prisão preventiva.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.