Elétrico 15 pode chegar à Cruz Quebrada

As duas autarquias - Lisboa e Oeiras - estão em conversações para estender circulação do elétrico

A Câmara de Lisboa está em conversações com o município de Oeiras para estender a circulação do elétrico 15 à Cruz Quebrada, sendo que a infraestrutura para circular já existe, anunciou hoje o presidente da autarquia da capital.

"Vamos expandir a rede de elétrico do 15. Estamos em diálogo com a Câmara Municipal de Oeiras para podermos expandir até à Cruz Quebrada. Temos a infraestrutura feita", disse o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina (PS), numa entrevista transmitida na quarta-feira à noite na RTP3.

Medina quer esta linha a funcionar "no imediato", mas admite que "depende agora" de a Carris vir a contar com o material circulante.

Dentro de Lisboa, a Câmara já tinha anunciado que o elétrico 15 vai chegar a Santa Apolónia ainda durante este mandato, sendo que o objetivo é, numa fase posterior, fazê-lo chegar também ao Parque das Nações.

Atualmente, o 15 efetua um percurso que já chega ao concelho de Oeiras (entre a Praça da Figueira e Algés).

Para tal, a Câmara de Lisboa vai "lançar o concurso para a aquisição de 30 novos elétricos, que complementarão os atuais 15", explicou o líder do executivo municipal, acrescentando que estes não serão os veículos com aspeto mais tradicional, mas sim "elétricos novos, modernos", que irão funcionar como um "meio intermédio entre o autocarro e o comboio".

Para o presidente da autarquia, "faz todo o sentido" apostar numa "moderna rede com modernos elétricos".

"É, aliás, isso que a generalidade das cidades modernas estão a fazer quando podem, nós é que podíamo-nos ter poupado a estarmos a recuperar uma destruição. Era muito bom que não tivéssemos destruído a rede", defendeu.

O socialista adiantou, também, que pretende fazer chegar os elétricos da Carris (empresa que em fevereiro de 2017 passou para a alçada municipal) a outros concelhos limítrofes, como Odivelas, Loures ou Amadora, mas esta medida ainda está em estudo.

Questionado sobre a crise de habitação que a cidade atravessa, Medina adiantou que "no próximo trimestre" o município vai "atribuir cerca de 600 casas".

"Estamos a tentar colocar mais casas no mercado", afirmou, apontando que esta entrega de habitações vai "resolver a situação para cerca de duas mil pessoas", que "já se estão a candidatar".

Assim, a Câmara quer que estas habitações cheguem a "pessoas de rendimentos baixos e também das classes médias, através do Programa da Renda Convencionada, e através, por exemplo, do Subsídio Municipal de Arrendamento", para além do concurso da habitação social.

Segundo o autarca, estas casas estão localizadas em "bairros espalhados pela cidade, em bairros municipais e em património municipal que é reabilitado".

Na mesma entrevista, Fernando Medina referiu que, desde 2015 (quando assumiu a liderança da Câmara da capital), foram criados 22 parques de estacionamento, que representam três mil lugares.

A estes acrescem 2.500 lugares para residentes, que o presidente da Câmara afirmou ser um aumento de "mais 50%" face ao que havia há três anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.