Calor leva CP a cancelar venda de bilhetes para longo curso

Sistema de ar condicionado não consegue refrescar carruagens quando temperaturas ao ar livre ultrapassam os 40 graus

A CP-Comboios de Portugal cancelou este domingo a venda de bilhetes para alguns comboios Alfa Pendular e Intercidades, sobretudo os que atravessam locais com temperaturas altas, informou a empresa, sem precisar até quando o fará.

Num comunicado divulgado esta tarde, a CP explicou a sua opção de cancelar a venda de bilhetes para comboios de longo curso, "nomeadamente para aqueles que circulam em pontos que têm revelado maior impacto no aumento das temperaturas interiores", para gerir os níveis de ocupação e, "desta forma, minimizar o desconforto da viagem".

A empresa notou ainda que as temperaturas extremas sentidas em Portugal nos últimos dias estão a "afetar seriamente a operação ferroviária".

As altas temperaturas provocam a "necessidade de intervenções continuadas" em vários pontos do país para "corrigir problemas de sinalização, quer ao nível dos comboios, cuja capacidade de refrigeração se encontra afetada".

Assim, tem havido atrasos, nomeadamente nos comboios de longo curso, que, "aliadas às temperaturas que se fazem sentir dentro dos veículos, causam níveis de desconforto elevados aos passageiros que procuram os comboios para as suas deslocações".

"A Infraestruturas de Portugal tem, em permanência, diversas equipas ao longo do país que envidam todos os esforços para solucionar os problemas na infraestrutura", lê-se ainda.

No mesmo comunicado, garante-se que a Infraestruturas de Portugal (IP) e a CP continuarão todos os esforços para "prosseguir o serviço de transporte de passageiros, com o menor desconforto possível, no contexto destas circunstancias excecionais".

Fonte ferroviária indicou à agência Lusa, pelas 15:00, que o bloqueio da venda de comboios afetou o Alfa que partiu de Braga, pelas 13:00, e quatro comboios que saem hoje de Lisboa para o Norte.

Ler mais

Premium

Anselmo Borges

Francisco ​​​​​​​em Pequim?

1. A perseguição aos cristãos foi particularmente feroz durante a Revolução Cultural no tempo de Mao. Mas a situação está a mudar de modo rápido e surpreendente. Desde 1976, com a morte de Mao, as igrejas começaram a reabrir e há quem pense que a China poderá tornar-se mais rapidamente do que se julgava não só a primeira potência económica mundial mas também o país com maior número de cristãos. "Segundo os meus cálculos, a China está destinada a tornar-se muito rapidamente o maior país cristão do mundo", disse Fenggang Yang, professor na Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) e autor do livro Religion in China. Survival and Revival under Communist Rule (Religião na China. Sobrevivência e Renascimento sob o Regime Comunista). Isso "vai acontecer em menos de uma geração. Não há muitas pessoas preparadas para esta mudança assombrosa".