Quinta-feira foi o segundo dia mais quente desde que há registos

É preciso recuar a 2 de agosto de 2003 para encontrar um valor da temperatura média mais alto do que o de ontem: 30,2 graus

Os termómetros em Portugal continental atingiram na quinta-feira o segundo valor mais alto de sempre desde 2000, quando começaram os registos diários, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

A temperatura média foi 30,2 graus e para encontrar um valor mais alto é preciso recuar a 2 de agosto de 2003, quando a temperatura média foi 31,9 graus, de acordo com um comunicado hoje divulgado pelo IPMA.

O valor da média das temperaturas máximas atingiu 40,1 graus centígrados, "muito superior ao valor normal", que é 28,8 graus, enquanto o valor médio das mínimas chegou aos 20,2 graus, acima dos 15,5 considerados normais.

Mora, no distrito de Évora, e Alvega, no distrito de Santarém, registaram os valores mais altos, com 45,7 e 45,2 graus.

Em mais de metade das estações meteorológicas, a temperatura foi superior a 40 graus e em 90%, superou os 35 graus.

Só as estações do Cabo Carvoeiro e Santa Cruz, no Oeste, ficaram abaixo dos 30 graus.

Os dados são também citados num comunicado da Comissão Nacional de Proteção Civil, que se reuniu hoje extraordinariamente no primeiro de quatro dias de alerta devido às altas temperaturas e concluiu que o sistema de prevenção e combate a incêndios tem respondido "com grande eficácia, desde logo, no ataque inicial às ocorrências registadas".

Desde quinta-feira, só quatro incêndios rurais aumentaram de dimensão ao ponto de precisarem de ataque ampliado.

Comparando com os valores dos dez anos mais recentes, em 2018 arderam até agora menos 85% da área e houve menos 36% de ocorrências.

O comandante operacional da Autoridade Nacional de Proteção Civil, Duarte Costa, afirmou que o envolvimento e o "reforço da monitorização e vigilância" por parte da GNR, PSP, Forças Armadas e Instituto de Conservação da Natureza e Florestas tem sido chave para responder às solicitações.

Há cerca de seis mil militares da GNR no terreno, 19 de 76 patrulhas das Forças Armadas em áreas críticas, e 51 equipas da PSP.

"Apesar do quadro meteorológico e do elevado risco de incêndio, não havia esta manhã registo de ocorrências expressivas em curso", afirma o Ministério.

Aviões de reconhecimento a sobrevoar o Alentejo e Algarve têm sido "fundamentais para a tomada de posições quanto ao posicionamento dos meios".

Por parte do Instituto Nacional de Emergência Médica, houve reforço de meios dos Centros de Orientação de Doentes Urgentes.

A Comissão Nacional de Proteção Civil, presidida pelo ministro da Administração Interna junta todas as entidades que intervêm no sistema de proteção civil: ministérios com a tutela sobre defesa, justiça, ambiente, economia, agricultura e florestas, obras públicas, transportes, comunicações, segurança social, saúde e investigação científica, representantes dos municípios e freguesias, da Liga dos Bombeiros Portugueses e da Associação Nacional dos Bombeiros Profissionais.

Estão representadas também as Forças Armadas, GNR, PSP, PJ, Gabinete Coordenador de Segurança, Autoridade Marítima, Autoridade Aeronáutica e Instituto Nacional de Emergência Médica.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."