Cinco distritos em aviso amarelo por causa de trovoada

Aviso vigora na sexta-feira entre as 11:59 e as 20:59

Os distritos de Bragança, Vila Real, Viseu, Guarda e Castelo Branco vão estar na sexta-feira sob aviso amarelo, o terceiro mais grave, por causa da possibilidade de trovoadas, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Segundo os avisos do IPMA, estes cinco distritos estarão sob aviso a partir das 11:59 de sexta-feira e até ao final do dia (20:59) devido às condições favoráveis para ocorrência de trovoadas.

Estes avisos somam-se aos outros que estavam já ativos nestes distritos e noutros seis, num total de 11. Todos estes distritos estão desde hoje sob aviso vermelho, o mais grave, por causa da persistência de temperaturas elevadas, no âmbito da onda de calor que afeta o território nacional e que se prolonga por vários dias.

A onda de calor que atinge o país durante os próximos dias, com esta quinta-feiraa ser o dia mais quente, fará com que se possam registar nalguns locais "máximos históricos" de temperatura.

Para esta quinta-feira o IPMA prevê temperaturas máximas a chegarem aos 45 graus Celsius em Évora, enquanto as mínimas não vão baixar dos 17 graus (Leiria).

A situação de muito calor deve prolongar-se por pelo menos quatro dias, sendo que as noites serão "tropicais".

Segundo as previsões do IPMA, o "período excecional de calor" prolonga-se até domingo, com a temperatura máxima do ar, "em grande parte do território do continente", a registar valores da ordem dos 40ºC, com exceção da costa algarvia, que terá máximas ligeiramente mais baixas, entre 30ºC e 35ºC.

No "período mais crítico", entre hoje e sábado, em vários locais do Alentejo, vale dos rios Douro e Tejo e na Beira Baixa a temperatura máxima poderá chegar aos 45ºC e, num ou outro local, ultrapassar este valor. Em Évora e Santarém, as máximas poderão bater os 46ºC.

As temperaturas mínimas serão também "muito elevadas", de acordo com o IPMA, atingindo valores próximos de 25ºC "em grande parte do território" e aproximando-se dos 30ºC em alguns locais do interior Centro e Sul, em especial no Alto Alentejo.

Além do calor, estão igualmente previstas poeiras no ar, o que levou a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) a alertar para a possibilidade de fraca qualidade do ar em Portugal continental durante este período, devido às concentrações de ozono e às partículas esperadas vindas do Norte de África.

Segundo a APA, as condições meteorológicas, com temperaturas muito elevadas hoje e nos próximos dias, com o aumento da concentração do ozono troposférico, sobretudo no litoral do país, e a previsão de poeiras no ar, "conduzem a uma potencial situação de fraca qualidade do ar generalizada para todo o território continental até ao final [do dia] de domingo".

"Estes poluentes têm efeitos na saúde humana, principalmente na população mais sensível, crianças e idosos, cujos cuidados de saúde devem ser redobrados durante a ocorrência destas situações", sublinha a APA, recordando as recomendações da Direção-Geral da Saúde (DGS), que aconselha a população a tomar medidas de proteção, como manter-se em ambientes frescos, procurar manter frescas as habitações e beber muita água, evitando o álcool.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.