Menos comboios, mais atrasos e avarias no topo das queixas dos utentes

Utentes dizem que falta de investimento tem levado a atrasos e supressões em alguns serviços

A diminuição do número de carruagens e de comboios, atrasos, composições velhas, avarias frequentes, estações encerradas e falta de segurança e de investimento na ferrovia são as principais queixas de utentes de comboios em diversas linhas ferroviárias.

Na Linha do Oeste, entre o Cacém e a Figueira da Foz, autarcas e comissão de utentes têm alertado para as supressões frequentes de comboios e a sua substituição por autocarros, avarias nas composições, degradação do material circulante, redução de horários, falta de informação aos passageiros, estações encerradas e falta de pessoal.

Os utentes exigem, a curto prazo, maior oferta de horários e a utilização pela CP -- Comboios de Portugal das composições da série 1400 para substituir composições avariadas, e, a longo prazo, a modernização da linha, prometida há décadas pelos sucessivos governos.

Em Santarém, na Linha do Norte, o Movimento dos Utentes dos Serviços Públicos (MUSP) identificou como preocupação o estado da ferrovia, a segurança, a manutenção e a requalificação de estacões, de cais de embarque e zonas envolventes.

A principal preocupação é "o troço entre Santarém e o Entroncamento, um trajeto de cerca de 35 quilómetros que nunca chegou a ser intervencionado para poder suportar maiores velocidades do material circulante", disse à agência Lusa Manuel Soares.

Manuel Soares referiu ainda a necessidade de "requalificação de estações, nomeadamente a de Santarém, Mato de Miranda e outras", bem como dos "cais de embarque e zonas de estacionamento das estações de Riachos, Rossio ao Sul do Tejo [Abrantes] e outras mais que estão votadas ao abandono".

O representante da Comissão de Utentes da Linha de Cascais, José Medinas, disse à Lusa que a supressão de comboios e a utilização de comboios com menos carruagens em horas de ponta condicionam as viagens na linha Cascais - Lisboa.

"Temos situações de avarias frequentes por, na nossa perspetiva, falta de investimento da CP na linha. [...] O que é facto é que acontecem frequentemente acidentes na linha e a empresa que trata das questões da manutenção da linha tem feito autênticos milagres com as composições que têm 50 e tal, 60 anos, e isto não pode continuar, porque nós somos utentes e queremos a linha de Cascais a funcionar em pleno", disse.

Segundo José Medinas, é possível constatar diariamente a "falta de segurança e condições" a bordo das carruagens, indicando também que há situações de "utentes que desfalecem" devido ao calor que se faz sentir dentro dos comboios.

Um manifesto pelo fim da concessão da exploração do transporte ferroviário à Fertagus e a integração do serviço na CP foi criado pela Comissão de Utentes de Transportes da Margem Sul (CUTMS), reunindo o apoio de 200 entidades.

"O problema mais gritante é mesmo a falta de investimento, consideramos que é urgente", disse Marco Sargento, da CUTMS.

Marco Sargento realçou que na península de Setúbal existem diferentes propostas, desde o operador privado Fertagus ao operador público CP, que "têm realidades muito distintas, quer no Eixo Ferroviário Norte-Sul, quer na Linha do Sado, quer nos comboios de longo curso".

"Na Linha do Sado, por exemplo, temos uma via que foi requalificada, mas continuamos a ter material circulante muito velho e degradado, sem condições. Já no transporte suburbano no Eixo Ferroviário Norte-sul, que é operado pela Fertagus, temos composições modernas e estações com alguns problemas, mas ainda assim com poucos anos de idade, e depois temos preços muito caros", acrescentou.

No Alentejo, no troço Beja - Casa Branca, que permite a ligação a Lisboa, não circulam Intercidades, porque o troço não está eletrificado, e a CP opera com uma frota de automotoras a diesel com mais de 50 anos.

O serviço "tem vindo a degradar-se, a piorar, é vergonhoso e já revoltante", disse à Lusa Florival Baiôa, porta-voz do movimento de cidadãos "Beja Merece +", que tem tido uma intervenção ativa na denúncia de problemas como avarias nas "velhas e desconfortáveis" automotoras, atrasos, supressões e substituições por transporte em autocarros ou táxis de viagens de comboio.

"A forma como os utentes são tratados pela CP gera revolta", disse, lembrando o caso "grave" de passageiros que tiveram de ser assistidos por bombeiros e pela GNR após uma avaria de uma automotora ocorrida no dia 03 deste mês "no meio da linha", entre Alvito e Vila Nova da Baronia.

Utentes e sindicatos têm-se queixado da supressão de comboios e da instabilidade de horários na linha do Algarve, onde nos dois primeiros dias de agosto foram suprimidas cerca de duas dezenas de circulações, segundo a Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (FECTRANS).

As supressões devem-se sobretudo a "problemas de material circulante" e a "avarias" e têm motivado "transbordo rodoviário" ou "encaminhamento [dos passageiros] para outros comboios", salientou a FECTRANS, que tem realizado protestos junto à estação de Faro para alertar para estes problemas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.