Burlas continuam a dominar subidas na criminalidade

Um balanço da segurança interna relativo ao primeiro semestre deste ano regista mais uma vez um aumento das burlas, principalmente através da internet.

As burlas continuam a subir no nosso país. Um balanço sobre a evolução desta criminalidade no primeiro semestre de 2018 regista um aumento de 12%, segundo apurou o DN. Em 2017 as burlas foram um dos crimes que mais aumentaram, com uma subida de 47,9% (mais 4037 casos). A imaginação dos burlões portugueses é fértil e as autoridades têm conseguido travar alguns deles. Neste ano a GNR, a PJ, a PSP e o SEF já fizeram detenções.

A internet é um dos meios que os burlões utilizam para enganar as pessoas, principalmente nas compras online. Segundo dados oficiais da PJ, apresentados em junho último, as burlas através da internet são aquelas em que se prevê um aumento mais expressivo até ao final deste ano. Em 2017 foram registados 335 inquéritos desta natureza - principalmente ligados à compra e venda de produtos online - e a projeção da PJ é que cresçam neste ano para 1340 (mais 300%). Nos primeiros seis meses do ano já foram abertos 670 inquéritos por estas fraudes.

Quando apresentou estes dados, a PJ divulgou também alguns conselhos para prevenir estas burlas através da internet.

Em 2017, o Ministério Público abriu 5480 inquéritos em Lisboa, tendo deduzido 258 acusações contra suspeitos de burla. No Porto foram iniciadas 4128 investigações e deduzidas 265 acusações.

O balanço global nos primeiros seis meses deste ano aponta para uma descida de cerca de 10% da criminalidade violenta e grave e para uma redução ligeira, cerca de 1%, da criminalidade geral.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.