Burlas continuam a dominar subidas na criminalidade

Um balanço da segurança interna relativo ao primeiro semestre deste ano regista mais uma vez um aumento das burlas, principalmente através da internet.

As burlas continuam a subir no nosso país. Um balanço sobre a evolução desta criminalidade no primeiro semestre de 2018 regista um aumento de 12%, segundo apurou o DN. Em 2017 as burlas foram um dos crimes que mais aumentaram, com uma subida de 47,9% (mais 4037 casos). A imaginação dos burlões portugueses é fértil e as autoridades têm conseguido travar alguns deles. Neste ano a GNR, a PJ, a PSP e o SEF já fizeram detenções.

A internet é um dos meios que os burlões utilizam para enganar as pessoas, principalmente nas compras online. Segundo dados oficiais da PJ, apresentados em junho último, as burlas através da internet são aquelas em que se prevê um aumento mais expressivo até ao final deste ano. Em 2017 foram registados 335 inquéritos desta natureza - principalmente ligados à compra e venda de produtos online - e a projeção da PJ é que cresçam neste ano para 1340 (mais 300%). Nos primeiros seis meses do ano já foram abertos 670 inquéritos por estas fraudes.

Quando apresentou estes dados, a PJ divulgou também alguns conselhos para prevenir estas burlas através da internet.

Em 2017, o Ministério Público abriu 5480 inquéritos em Lisboa, tendo deduzido 258 acusações contra suspeitos de burla. No Porto foram iniciadas 4128 investigações e deduzidas 265 acusações.

O balanço global nos primeiros seis meses deste ano aponta para uma descida de cerca de 10% da criminalidade violenta e grave e para uma redução ligeira, cerca de 1%, da criminalidade geral.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?