Burlas continuam a dominar subidas na criminalidade

Um balanço da segurança interna relativo ao primeiro semestre deste ano regista mais uma vez um aumento das burlas, principalmente através da internet.

As burlas continuam a subir no nosso país. Um balanço sobre a evolução desta criminalidade no primeiro semestre de 2018 regista um aumento de 12%, segundo apurou o DN. Em 2017 as burlas foram um dos crimes que mais aumentaram, com uma subida de 47,9% (mais 4037 casos). A imaginação dos burlões portugueses é fértil e as autoridades têm conseguido travar alguns deles. Neste ano a GNR, a PJ, a PSP e o SEF já fizeram detenções.

A internet é um dos meios que os burlões utilizam para enganar as pessoas, principalmente nas compras online. Segundo dados oficiais da PJ, apresentados em junho último, as burlas através da internet são aquelas em que se prevê um aumento mais expressivo até ao final deste ano. Em 2017 foram registados 335 inquéritos desta natureza - principalmente ligados à compra e venda de produtos online - e a projeção da PJ é que cresçam neste ano para 1340 (mais 300%). Nos primeiros seis meses do ano já foram abertos 670 inquéritos por estas fraudes.

Quando apresentou estes dados, a PJ divulgou também alguns conselhos para prevenir estas burlas através da internet.

Em 2017, o Ministério Público abriu 5480 inquéritos em Lisboa, tendo deduzido 258 acusações contra suspeitos de burla. No Porto foram iniciadas 4128 investigações e deduzidas 265 acusações.

O balanço global nos primeiros seis meses deste ano aponta para uma descida de cerca de 10% da criminalidade violenta e grave e para uma redução ligeira, cerca de 1%, da criminalidade geral.

Ler mais

Exclusivos

Premium

coletes amarelos

Coletes Amarelos escolhem 25 de Abril para manifestação no Terreiro do Paço

O regresso dos coletes amarelos está agendado para amanhã, no Terreiro do Paço, em Lisboa. A manifestação usa o mote anticorrupção, mas os organizadores - os mesmos do protesto de 21 de dezembro - aproveitam para atacar a geringonça e vincar que estão "de luto por Portugal e pela democracia". A PSP vai acompanhar o protesto.