Bruxelas antecipa pagamentos diretos aos agricultores devido à seca

Agricultores vão receber em outubro até 70% dos seus pagamentos, a pedido do ministro da Agricultura

A Comissão Europeia anunciou hoje que vai antecipar os pagamentos diretos aos agricultores para menorizarem o impacto das dificuldades causadas pela seca, uma decisão que vai ao encontro de um pedido feito pelo Governo português a Bruxelas.

O executivo comunitário esclareceu que os agricultores poderão receber antecipadamente em meados de outubro até 70% dos seus pagamentos diretos e até 85% de pagamentos a título do desenvolvimento rural.

Em 16 de julho, o ministro da Agricultura, Capoulas Santos, pediu à Comissão Europeia a antecipação, de dezembro para outubro, do pagamento das ajudas aos agricultores nos Açores, para fazerem face às dificuldades causadas pela seca.

O ministro salientou então que países da Europa Central, como a Polónia, levaram também o tema da seca ao Conselho da União Europeia, e que Portugal estava solidário e "reclamando também a extensão de quaisquer apoios à Região Autónoma dos Açores".

O executivo comunitário anunciou também que será concedida aos agricultores uma maior flexibilidade na utilização de terras que normalmente não seriam utilizadas para produção, a fim de alimentar os seus animais

"A situação de seca em curso e prolongada em vários países da UE está a ter um impacto significativo na produção de culturas arvenses, bem como na alimentação animal, o que também poderá ter também um impacto no bem-estar dos animais. Além disso, a redução do nível de alimentos para animais tem um impacto especial no rendimento dos criadores, uma vez que tal aumentará os seus custos de produção, caso se verifique uma escassez de forragens no final do ano", justificou a Comissão Europeia, em comunicado.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.