Bombeiros resgatam casal que ficou perdido no Gerês

Desde o alerta até ao resgaste, os jovens ficaram perdidos durante quase quatro horas

Os bombeiros de Salto resgataram hoje, pelas 02:00, dois jovens, de 22 anos e 24 anos, que entraram por uma estrada florestal no Parque Nacional da Peneda Gerês, ficando com a viatura imobilizada e perdidos.

De acordo com Hernâni Carvalho, comandante dos bombeiros de Salto, concelho de Montalegre, distrito de Vila Real, o casal andava a fazer um passeio de carro pelo Gerês e entraram num estradão florestal, de terra batida, segundo os próprios, por indicação do GPS.

"Face às condições do caminho, acabaram por ficar imobilizados e não conseguiram progredir, e como não conheciam a zona tiveram alguma dificuldade em conseguir explicar onde estavam e acabaram por ficar algo assustados", afirmou à agência Lusa o comandante.

O alerta foi dado às 22:35 de terça-feira para a freguesia de Vilar da Veiga, no concelho de Terras de Bouro, distrito de Braga. Os jovens foram localizados entre as aldeias de Ermida e Fafião, próximo do rio Arado.

Hernâni Carvalho referiu que, no pedido de ajuda inicial, as coordenadas que os jovens forneceram aos bombeiros eram para uma zona distante do sítio onde estavam e até do parque do Gerês.

Os bombeiros mobilizaram uma equipa de resgate apoiada por duas viaturas e, posteriormente, após uma nova partilha de dados, conseguiram perceber a localização exata.

"Conseguimos, de forma rápida, localizá-los e colocar a viatura deles em segurança, na estrada de alcatrão e no caminho certo", referiu o comandante.

O casal entrou por uma zona de acesso vedado a veículos, pelo que acabaram por ser identificados e autuados pela GNR, que esteve no local através de elementos do Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro.

A operação foi dada como concluída pelas 02:00 de hoje.

Ler mais

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...