3000 bombeiros de todo o país em Lisboa para protesto

Esta é a primeira vez que bombeiros não profissionais se juntam a operacionais e viaturas, segundo o presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses

Pelo menos 3.000 bombeiros e 750 viaturas, em representação de 90% das associações de todo o país, vão marcar este sábado presença na Praça do Comércio, em Lisboa, em protesto contra as propostas do Governo na área da proteção civil.

O número foi avançado à agência Lusa pelo presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP), Jaime Marta Soares, pelas 12:30, hora a que largas centenas destes profissionais já se concentravam e "pintavam de vermelho" a Praça do Comércio, enquanto outros bombeiros e viaturas vão chegando do local do protesto.

Pelas 12:35, Marta Soares subiu ao palco montado no interior de um camião dos bombeiros, para informar os presentes de que "estão centenas de bombeiros a caminho, que estão a complicar o estacionamento das viaturas", deixando um apelo à PSP para que "abra caminho" para que as viaturas ainda na estrada cheguem à Praça do Comércio, onde se situa o Ministério da Administração Interna.

"Por um comando autónomo; pelos incentivos ao voluntariado; juntos por Portugal e pelos portugueses ou força insubstituível", são algumas das frases escritas em tarjas ou cartazes que os bombeiros fardados vão empunhando.

Dezenas de viaturas estão estacionadas junto ao Rio Tejo, nas imediações da Praça do Comércio.

Na base deste protesto estão as propostas aprovadas na generalidade pelo Governo a 25 de outubro na área da proteção civil, sendo a que merece maior contestação das corporações de bombeiros é as alterações à lei orgânica da Autoridade Nacional de Emergências e Proteção Civil, futuro nome da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC).

Para a LBP, o Governo pretende colocar os bombeiros voluntários "num papel secundário" com estas alterações.

A LBP considera a nova lei orgânica da ANPC "completamente desajustada da realidade do país", que "interfere na autonomia" das associações humanitárias dos bombeiros.

A concentração acontece um dia depois da LBP ter reunido com o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, e ter apresentado "mais uma vez" as suas propostas sobre a reforma da Proteção Civil.

Segundo Jaime Marta Soares, durante a reunião não houve "qualquer acordo, nem entendimento" com o ministro.

No final do encontro, fonte oficial do gabinete do ministro da Administração Interna disse à Lusa que o Governo vai apreciar "com espírito construtivo" as propostas da LBP.

A proposta do Governo da Lei Orgânica da atual ANPC prevê a criação cinco comandos regionais e 23 sub-regionais de emergência e proteção civil em vez dos atuais 18 comandos distritais de operações e socorro, além da criação de um Comando Nacional de Bombeiros com autonomia financeira e orçamento próprio, cujo responsável máximo será designado depois de ouvida a LBP.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.