3000 bombeiros de todo o país em Lisboa para protesto

Esta é a primeira vez que bombeiros não profissionais se juntam a operacionais e viaturas, segundo o presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses

Pelo menos 3.000 bombeiros e 750 viaturas, em representação de 90% das associações de todo o país, vão marcar este sábado presença na Praça do Comércio, em Lisboa, em protesto contra as propostas do Governo na área da proteção civil.

O número foi avançado à agência Lusa pelo presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP), Jaime Marta Soares, pelas 12:30, hora a que largas centenas destes profissionais já se concentravam e "pintavam de vermelho" a Praça do Comércio, enquanto outros bombeiros e viaturas vão chegando do local do protesto.

Pelas 12:35, Marta Soares subiu ao palco montado no interior de um camião dos bombeiros, para informar os presentes de que "estão centenas de bombeiros a caminho, que estão a complicar o estacionamento das viaturas", deixando um apelo à PSP para que "abra caminho" para que as viaturas ainda na estrada cheguem à Praça do Comércio, onde se situa o Ministério da Administração Interna.

"Por um comando autónomo; pelos incentivos ao voluntariado; juntos por Portugal e pelos portugueses ou força insubstituível", são algumas das frases escritas em tarjas ou cartazes que os bombeiros fardados vão empunhando.

Dezenas de viaturas estão estacionadas junto ao Rio Tejo, nas imediações da Praça do Comércio.

Na base deste protesto estão as propostas aprovadas na generalidade pelo Governo a 25 de outubro na área da proteção civil, sendo a que merece maior contestação das corporações de bombeiros é as alterações à lei orgânica da Autoridade Nacional de Emergências e Proteção Civil, futuro nome da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC).

Para a LBP, o Governo pretende colocar os bombeiros voluntários "num papel secundário" com estas alterações.

A LBP considera a nova lei orgânica da ANPC "completamente desajustada da realidade do país", que "interfere na autonomia" das associações humanitárias dos bombeiros.

A concentração acontece um dia depois da LBP ter reunido com o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, e ter apresentado "mais uma vez" as suas propostas sobre a reforma da Proteção Civil.

Segundo Jaime Marta Soares, durante a reunião não houve "qualquer acordo, nem entendimento" com o ministro.

No final do encontro, fonte oficial do gabinete do ministro da Administração Interna disse à Lusa que o Governo vai apreciar "com espírito construtivo" as propostas da LBP.

A proposta do Governo da Lei Orgânica da atual ANPC prevê a criação cinco comandos regionais e 23 sub-regionais de emergência e proteção civil em vez dos atuais 18 comandos distritais de operações e socorro, além da criação de um Comando Nacional de Bombeiros com autonomia financeira e orçamento próprio, cujo responsável máximo será designado depois de ouvida a LBP.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.