Bloco cancela comícios em Quarteira e Montegordo

Iniciativas tinham a participação prevista da eurodeputada Marisa Matias e estavam marcadas para sexta-feira e sábado.

A direção do Bloco de Esquerda emitiu hoje um comunicado onde afirma que está a acompanhar os acontecimentos do incêndio de Monchique com "preocupação", tendo já deslocado dirigentes para o terreno, nomeadamente o deputado João Vasconcelos, eleito pelo distrito de Faro e vereador em Portimão.

Por causa dos incêndios, os bloquistas decidiram cancelar comícios previstos para sexta-feira (Quarteira) e sábado (Monte Gordo), comícios nos quais a principal oradora seria a eurodeputada Marisa Matias.

O partido afirma-se "em permanente contacto com as populações que foram afetadas, a efetuar visitas aos locais onde estas se encontram temporariamente alojadas, e a aferir das suas necessidades imediatas, assim como em contacto diário com os autarcas dos concelho afetados pelo fogo, recolhendo informações e elementos de forma a permitir avaliar a forma como as populações estão a ser acompanhadas, e a forma como o fogo está a ser combatido".

"A direção do Bloco de Esquerda dirige uma palavra de solidariedade e respeito às populações afetadas"

"A direção do Bloco de Esquerda dirige uma palavra de solidariedade e respeito às populações afetadas e que se encontram a colaborar com as entidades que estão a trabalhar no terreno, e uma palavra de apreço e consideração a todos os operacionais e forças que se encontram empenhadas no combate ao fogo", lê-se ainda no comunicado.

O qual acrescenta que "tendo em conta a evolução da situação do fogo no terreno, e tendo a preocupação de não perturbar de forma alguma as operações de combate e de retirada das populações para locais seguros", coloca o partido "neste momento a avaliar se existem condições para efetuar novas visitas aos locais que foram afetados pelo fogo".

Estas visitas teriam o objetivo de escrutinar "se está a ser prestado o devido auxílio a todas as pessoas afetadas".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.