Bispos portugueses manifestam em carta "total apoio" ao papa Francisco

"Neste momento, perante tentativas de pôr em causa a credibilidade do seu ministério, queremos manifestar-lhe a nossa fraterna proximidade e o total apoio à sua pessoa", refere o documento

Os bispos portugueses manifestaram esta segunda-feira "total apoio" ao papa Francisco, numa carta enviada ao líder da Igreja Católica, em que se declaram disponíveis para seguir as suas orientações para erradicar a "chaga" do abuso de menores por padres.

"Neste momento, perante tentativas de pôr em causa a credibilidade do seu ministério, queremos manifestar-lhe a nossa fraterna proximidade e o total apoio à sua pessoa, a plena comunhão com a sua missão de pastor universal e completa adesão ao seu magistério", refere a carta dos bispos de Portugal, lida hoje pelo presidente da Comissão Episcopal Vocações e Ministérios (CEVM), António Augusto Azevedo, durante o arranque do Simpósio Nacional do Clero, em Fátima.

Na mesma carta, os bispos portugueses sublinham que partilham do sofrimento do papa Francisco e de toda a Igreja relativamente ao "drama do abuso de menores" por parte de padres, propondo-se a "seguir as orientações para erradicar as causas desta chaga".

"Empenhar-nos-emos em incrementar uma cultura de prevenção e proteção dos menores e vulneráveis em todas as nossas comunidades", refere a carta, redigida pelos bispos, reunidos em Fátima, no Simpósio Nacional do Clero.

A leitura da carta por António Augusto Azevedo terminou com um forte e longo aplauso por parte dos padres presentes no evento, que decorre no Centro Pastoral Paulo VI.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.