Obama e Nobel da Paz discutem alterações climáticas no Coliseu do Porto

Na sexta-feira, o antigo presidente dos EUA vai responder a 25 perguntas selecionadas

O Coliseu do Porto recebe na sexta-feira a cimeira "Climate Change Leadership", um evento para debater as alterações climáticas que contará com personalidades internacionais como o ex-presidente norte-americano Barack Obama e o Nobel da Paz Mohan Munasinghe.

A conferência, promovida por várias entidades, está destinada apenas a convidados - cerca de 3000 - e começa com a introdução ao Protocolo do Porto, um acordo de compromisso entre empresas, que tem como objetivos a união de esforços e criação de uma base de dados para casos de estudo.

Pouco depois, às 11:00, é a vez do professor Mohan Munasinghe, Nobel da Paz em 2007, tomar o palco e falar das sugestões do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), instituição da qual é ex-vice-presidente, e vai também "fazer uma atualização sobre as recentes descobertas no campo das alterações climáticas", segundo o programa da organização.

Às 11:45 Irina Bokova, ex-diretora geral da UNESCO, vai descrever como estas mudanças estão a afetar o vale do Douro e o centro histórico do Porto, dois sítios que fazem parte da lista de Património Mundial da organização, e o que pode ser feito para os proteger.

Depois de uma pausa para almoço, Juan Verde, presidente da Advanced Leadership Foundation (ALF), uma das entidades organizadores, retoma o palanque para explicar como a "mitigação das alterações climáticas pode ser positiva para o desenvolvimento económico e o ambiente".

Barack Obama vai responder a cerca de 25 perguntas selecionadas

O responsável espanhol já trabalhou nas campanhas de Barack Obama, assim como outros políticos americanos tais como o senador Ted Kennedy, o presidente Bill Clinton e ex-vice-presidente Al Gore, e é descrito pela organização como "um dos líderes exponentes da economia verde".

O ex-presidente dos Estados Unidos da América, começa a falar às 15:00, naquela que está descrita, no programa, como "uma conversa com Barack Obama", durante a qual abordará a importância de "mitigar" o problema e responderá a cerca de 25 perguntas selecionadas.

No mesmo dia que estará no Porto, Obama vai também estar em Madrid, Espanha, enquanto convidado de honra de uma cimeira sobre economia circular e inovação, evento também organizado pela ALF.

Em maio, Adrian Bridge, presidente da The Fladgate Partnership, outra das entidades responsáveis, e representante do Porto na ALF, havia dito que a ideia é promover uma discussão para encontrar soluções, a médio e longo prazo, estando já agendada outra conferência para março de 2019 na qual se pretende reunir "pessoas do setor do vinho a nível mundial" para "falar de soluções" para o futuro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.