Avião da TAP voou danificado de Marrocos para Lisboa

Voo realizou-se com 55 passageiros depois de na aterragem em Fez ter sofrido danos da fuselagem e no patim da cauda. Incidente está a ser investigado

Um avião da TAP efetuou um voo entre Fez, em Marrocos, e Lisboa com a fuselagem e o trem de aterragem traseiro danificados, num incidente que está a ser investigado pelo Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e de Acidentes Ferroviários (GPIAAF). Os danos na aeronave foram sofridos durante a aterragem em Fez, no dia 6 de julho, e foram registados pelas autoridades marroquinas. O avião, um TR72-212A operado pela White Airways, em nome da TAP, transportava 55 passageiros e quatro tripulantes.

O voo para Fez era de regular, na rota Lisboa-Fez, e as condições meteorológicas eram boas. Mas a aterragem ocorreu com sobressaltos. O piloto relatou que sentiu a aeronave ser "literalmente atirada para o chão". O GPIAAF refere no seu relatório de averiguações - uma nota informativa do acidente ainda sem conclusões - que "esta dinâmica, terá assim resultado numa aterragem dura, onde o patim de cauda, bem como a fuselagem traseira da aeronave terá raspado na pista".

O comandante inspecionou o avião e concluiu que não havia anomalias que impedissem o voo de regresso de Lisboa. E assim aconteceu. Alertado pela congénere marroquina, o GPPIA deslocou-se depois às instalações onde o avião ficou, já que não voltou a voar desde o incidente. "De acordo com os relatórios da manutenção, foram encontrados vários danos na fuselagem traseira fora dos limites de operação da aeronave. Está ainda a ser avaliada toda a condição da aeronave e a extensão dos danos junto do fabricante", escreveram os investigadores do GPPIA.

A TAP diz estar a par do ocorrido, estando o incidente a ser alvo de inquérito interno. O jornal Expresso refere que a Autoridade Nacional de Aviação Civil também está a investigar o acidente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.