Peixes mortos em praias de Alcochete: autoridades já recolheram amostras

Animais foram encontrados nas praias dos Moinhos e do Samouco

As autoridades já recolheram amostras de efluentes da estação de tratamento de Alcochete e de água superficial do estuário na zona onde foram encontradas centenas de peixes mortos na semana passada, disse à Lusa o Ministério do Ambiente.

Segundo a tutela, a zona onde foram encontrados os peixes mortos tem um quilómetro de extensão e, apesar de não estar classificada como zona balnear, é usada como tal.

A Agência Portuguesa do Ambiente (APA) enviou ao local uma equipa de fiscalização há uma semana (6 de julho), depois de a autarquia ter alertado para a existência de centenas de peixes mortos nas praias dos Moinhos e do Samouco, em Alcochete.

A equipa da APA recolheu "amostras de efluente da ETAR de Alcochete, cujo emissário descarrega ao largo deste local", e de "água superficial do Estuário, cujos resultados ainda não são conhecidos", esclareceu o Ministério.

A APA contactou o Instituto de Conservação da Natureza e Florestas, que esteve igualmente no local e confirmou que os peixes se encontravam mortos, "com sinais de decomposição, numa extensão de cerca de um quilómetro de margem do Estuário".

Foi também contactada a GNR/SEPNA, que no passado domingo esteve no local e não observou novos peixes mortos, acrescenta o Ministério do Ambiente na resposta enviada à Lusa.

"Espumas pouco habituais"

Quando denunciou o caso, o presidente da Câmara de Alcochete, Fernando Pinto, disse que além dos peixes mortos tinham surgido "espumas pouco habituais" nas praias do concelho e que um caso idêntico já tinha acontecido no início do ano.

Na altura, apesar de não estarem apuradas as causas, o autarca disse que, "de acordo com testemunhos não oficiais", o caso pode atribuir-se a uma alegada "descarga a norte do rio Tejo".

Fernando Pinto sublinhou que o estuário do Tejo está em fase de recuperação, pelo que este tipo de tipo de acontecimentos "são sempre motivo de preocupação".

A poluição do Tejo tem sido este ano alvo de várias denúncias por parte de associações ambientalistas, que criticam as descargas de diferentes unidades industriais.

O Governo aprovou este mês, em Conselho de Ministros, o Plano de Ação Tejo Limpo, para aprofundar o conhecimento da situação real da bacia hidrográfica do rio de forma a evitar episódios de poluição no futuro.

O Plano de Ação Tejo Limpo representa um investimento de 2,5 milhões de euros e é a terceira fase de uma estratégia que tem vindo a ser levada a cabo desde o início do ano, depois do "fenómeno agudo de poluição" registado em 24 de janeiro no rio Tejo e de "muitos outros que o antecederam".

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.