Comandante da GNR acusado de castigar militares que passam poucas multas

Os militares, em abaixo-assinado, contestam o comandante do posto do Sameiro

A Associação Nacional dos Sargentos da Guarda (ANSG) anunciou na quarta-feira que vai apoiar o comandante do Posto da GNR do Sameiro, do Comando de Braga, que foi acusado pelos militares de castigar quem passe poucas multas.

Segundo noticiou o Jornal de Notícias, os militares, em abaixo-assinado, contestam o comandante do posto do Sameiro e ameaçam mesmo avançar com uma queixa-crime, alegando que estão "desmotivados e apavorados" com "a coação e as ameaças".

Em causa, segundo avança o jornal, estão alegados castigos aos militares que passem poucas multas.

"Caberá ao Comando da Guarda a defesa dos seus militares, perceber e resolver os problemas e dificuldades sentidas pelo conjunto dos militares daquele Posto, inclusive se já haviam sido reportados hierarquicamente, como se obriga, ou se trata apenas de um aproveitamento mediático, de alguém que arrasta os militares para o cometimento de infrações disciplinares", refere a associação em comunicado.

A ANSG garante ainda que "não vacilará no apoio ao Sargento Comandante do Posto do Sameiro do Comando de Braga".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.