O grupo de "turistas" que fazia assaltos sofisticados foi apanhado

Grupo de seis brasileiros surpreendeu a PJ do Porto pela sofisticação: fabricavam os dispositivos, equipados com micro-câmaras, e criavam o software de clonagem. Em mês e meio fizeram dezenas de vítimas

Um grupo de seis brasileiros com visto de turista instalou-se em Portugal, em maio, e iniciou uma verdadeira ofensiva de clonagem de cartões bancários, através do recurso a dispositivos que colocavam em caixas ATM. "Formavam um tipo de organização visto pela primeira vez", alerta a Polícia Judiciária do Porto, que desmantelou o gangue. A inovação deste gangue consistia em que tudo era produzido pelos seus elementos, desde o fabrico dos dispositivos que liam e filmavam nas ATM até ao software para transpor os dados para novos cartões que fabricavam. Foram detidos quinta-feira em Vila Nova de Gaia, um dia antes de terem viagem marcada para abandonarem o país.

O número de lesados por este esquema criminoso ainda está por apurar, mas o coordenador de investigação criminal, Arnaldo Silva, disse que será elevado. "É difícil dizer, nesta altura, o número de pessoas que foram vítimas. Mas vão ser muitas, largas dezenas de pessoas", apontou o coordenador da PJ do Porto, resumindo da mesma forma os montantes envolvidos: "Terá ainda de ser apurado, com análises bancárias. Mas é um valor elevado, de dezenas de milhares de euros. Só em dinheiro, na posse do grupo, encontramos quase 30 mil euros."

Micro-câmaras para obter códigos PIN

A secção da Diretoria do Norte que investiga a moeda falsa e os crimes com cartões bancários foi surpreendida pela elevada organização dos grupo. Os seis brasileiros, que viviam todos na mesma casa em Gaia, desde maio, dedicavam-se "a fabricar e a instalar aparelhos próprios para a manipulação das caixas ATM com o objetivo de efetuar a leitura da banda magnética dos cartões de crédito/débito ali utilizados, bem como efetuavam, através de registo vídeo, a gravação dos códigos dos referidos cartões". Para conseguir a leitura dos cartões colocavam uma calha falsa, com o dispositivo de leitura, nas caixas ATM, onde também instalavam outro dispositivo para a filmagem em vídeo da pessoa a marcar o código PIN. "Levavam tudo já pronto e num minuto ou minuto e meio colocavam os dispositivos. Passava despercebido", disse ao DN um dos investigadores deste caso.

Os dispositivos ficavam nas caixas ATM "durante duas a três horas". Eram retirados depois e o grupo tinha software para recolher os dados dos cartões. Depois cruzavam com os pins que tinham obtido por vídeo, com as micro-câmaras e faziam um novo cartão. "Havia levantamentos de dinheiro e compras com os cartões", explicou o coordenador Arnaldo Silva. Nas ATM era muito fácil o utente não se aperceber das calhas falsas. "Pintavam tudo com a mesma cor. Olhando para a caixa era difícil ver que havia ali algo errado."

"Até os dispositivos eram construídos por eles. Cada um tinha a sua tarefa, uns fabricavam, outros instalavam e outros faziam a clonagem. É a primeira vez que vemos um grupo destes

A surpresa é que o grupo não dependia de mais ninguém. Tudo era fabricado na casa onde viviam. "Até os dispositivos eram construídos por eles. Cada um tinha a sua tarefa, uns fabricavam, outros instalavam e outros faziam a clonagem. É a primeira vez que vemos um grupo destes, em que controlavam tudo desde o início do processo até ao fim", comentou Arnaldo Silva. Nos objetos apreendidos pela PJ constam os dispositivos, os produtos químicos, as tintas para pintar as calhas, o hardware, como as micro-câmaras,o software para criar as bandas magnéticas, computadores, cartões clonados e por clonar, e quase 30 mil euros em dinheiro.

Tinham viagem marcada

O grupo atuou no Porto, Maia, Gaia e Matosinhos. Tinham entre 25 e 43 anos e estavam em Portugal com o visto de turistas. Preparavam-se mesmo para sair do país. "Estes grupos recolhem os dados dos cartões e depois deslocam-se para outros países. Atuaram aqui cerca de mês e meio e já tinham viagem marcada", revelou um investigador.

Estão indiciados pela ​​​​​​​presumível autoria dos crimes de associação criminosa, contrafação de títulos equiparados a moeda, burla informática e falsidade informática. Foram hoje presentes a um juiz no Tribunal de Matosinhos. Ficaram todos em prisão preventiva.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.