Arquiteto Rui Lacerda morre em peregrinação a Santiago de Compostela

Rui Lacerda foi autor do Centro Multimeios de Espinho, que acolhe o planetário local, e de edifícios como o Auditório de Espinho, o Casino e a Escola Secundária Manuel Laranjeira

O arquiteto Rui Lacerda, autor do Centro Multimeios de Espinho e co-autor da requalificação em curso no canal ferroviário dessa cidade, morreu na quinta-feira de doença súbita numa peregrinação a Santiago de Compostela, revelou esta sexta-feira a autarquia portuguesa.

Nascido a 10 de março de 1954 e formado pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, Rui Lacerda dirigia o gabinete RDLM Arquitetos Lda., fundado pelo seu pai.

Para o presidente da Câmara Municipal de Espinho, Joaquim Pinto Moreira, o arquiteto era "um orgulhoso e empenhado espinhense, que colocou o seu talento e a sua generosidade ao serviço da valorização urbanística da cidade, pelo que essa ficará seguramente mais pobre sem o seu contributo".

"Perdi um amigo e Espinho perdeu um dos grandes amantes da cidade", declarou o autarca à Lusa. "Nos últimos anos desenvolvemos uma estreita relação profissional e pessoal, de grande confiança e entendimento mútuo, e guardo as mais gratas recordações desse convívio, bem como das imensas qualidades humanas, cívicas e profissionais que demonstrou", realça.

Na sua cidade natal, Rui Lacerda foi autor do Centro Multimeios, que acolhe o planetário local, e de edifícios como o Auditório de Espinho, o Casino e a Escola Secundária Manuel Laranjeira.

O arquiteto também partilhou com o gabinete espanhol Mangado y Asociados o projeto atualmente em curso para requalificar a alameda que em 2008 foi deixada vaga à superfície após o enterramento da linha férrea do Norte.

Já no resto do país, destacam-se entre os seus trabalhos o Hotel-Casino de Chaves e a Escola Secundária Augusto Gomes, em Matosinhos, assim como o design interior do Casino de Vilamoura e do Hotel-Casino do Algarve.

No Brasil, por sua vez, foi coautor com o Estúdio 41 de três centros de congressos, nomeadamente em Paraty, Nova Friburgo e Cabo Frio.

Segundo a Câmara de Espinho, ainda não há informação quanto às exéquias fúnebres em honra do arquiteto, dada a maior complexidade dos trâmites a cumprir pelo facto de o seu falecimento se ter verificado em Espanha.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.