Arquiteto Rui Lacerda morre em peregrinação a Santiago de Compostela

Rui Lacerda foi autor do Centro Multimeios de Espinho, que acolhe o planetário local, e de edifícios como o Auditório de Espinho, o Casino e a Escola Secundária Manuel Laranjeira

O arquiteto Rui Lacerda, autor do Centro Multimeios de Espinho e co-autor da requalificação em curso no canal ferroviário dessa cidade, morreu na quinta-feira de doença súbita numa peregrinação a Santiago de Compostela, revelou esta sexta-feira a autarquia portuguesa.

Nascido a 10 de março de 1954 e formado pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, Rui Lacerda dirigia o gabinete RDLM Arquitetos Lda., fundado pelo seu pai.

Para o presidente da Câmara Municipal de Espinho, Joaquim Pinto Moreira, o arquiteto era "um orgulhoso e empenhado espinhense, que colocou o seu talento e a sua generosidade ao serviço da valorização urbanística da cidade, pelo que essa ficará seguramente mais pobre sem o seu contributo".

"Perdi um amigo e Espinho perdeu um dos grandes amantes da cidade", declarou o autarca à Lusa. "Nos últimos anos desenvolvemos uma estreita relação profissional e pessoal, de grande confiança e entendimento mútuo, e guardo as mais gratas recordações desse convívio, bem como das imensas qualidades humanas, cívicas e profissionais que demonstrou", realça.

Na sua cidade natal, Rui Lacerda foi autor do Centro Multimeios, que acolhe o planetário local, e de edifícios como o Auditório de Espinho, o Casino e a Escola Secundária Manuel Laranjeira.

O arquiteto também partilhou com o gabinete espanhol Mangado y Asociados o projeto atualmente em curso para requalificar a alameda que em 2008 foi deixada vaga à superfície após o enterramento da linha férrea do Norte.

Já no resto do país, destacam-se entre os seus trabalhos o Hotel-Casino de Chaves e a Escola Secundária Augusto Gomes, em Matosinhos, assim como o design interior do Casino de Vilamoura e do Hotel-Casino do Algarve.

No Brasil, por sua vez, foi coautor com o Estúdio 41 de três centros de congressos, nomeadamente em Paraty, Nova Friburgo e Cabo Frio.

Segundo a Câmara de Espinho, ainda não há informação quanto às exéquias fúnebres em honra do arquiteto, dada a maior complexidade dos trâmites a cumprir pelo facto de o seu falecimento se ter verificado em Espanha.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?