Apreendidos mais de 1,4 milhões de artigos contrafeitos ou pirateados em 2018

Apreensões em 2018 foram mais do dobro das realizadas em 2017, passando-se de 580 mil produtos para 1,4 milhões.

As autoridades portuguesas apreenderam no ano passado mais de 1,4 milhões de produtos contrafeitos ou pirateados e 53 mil unidades de medicamentos.

Segundo dados do site do Grupo Anti Contrafação (GAC), ao longo de 2018 foram apreendidos 1 487 642 produtos contrafeitos ou pirateados pela Autoridade para a Segurança Alimentar e Económica (ASAE), Autoridade Tributária e Aduaneira, GNR, PJ, GNR e Instituto Nacional da Propriedade Industrial.

Em relação à evolução do número de produtos confiscados, as estatísticas demonstram que, em 2018, foram apreendidos mais do dobro do que em 2017, passando-se de 580 mil para 1,4 milhões.

Vestuário, calçado e acessórios constituem 71% do total dos produtos apreendidos

Entre as apreensões, destaca-se o vestuário, o calçado e os acessórios (artigos contrafeitos), com a categoria de "outros" a englobar artigos de escritório, rótulos, etiquetas, adesivos, meios de embalagem e partes de produtos.

Os dados mostram também que o vestuário, o calçado e os acessórios constituem 71% do total comercial dos produtos apreendidos, caso chegassem às mãos dos consumidores.

Os alimentos e as bebidas são também categorias com um forte impacto no valor total dos produtos apreendidos.

Quanto à origem dos produtos pirateados ou contrafeitos, a maioria dos medicamentos chega de Singapura, enquanto a maior parte dos restantes produtos é proveniente da China.

Mais de 53 mil medicamentos apreendidos

O relatório indica ainda que as alfândegas portuguesas têm efetuado apreensões diárias de vários medicamentos, relativas a pequenas remessas de mercadorias na via postal, alvos de compras realizadas por particulares via internet, na sua maioria contrafeitos.

Em 2018 foram confiscadas 53 002 unidades de medicamentos pela Autoridade Tributária e Aduaneira.

As autoridades alertam que muitos desses supostos medicamentos não têm controlo e são "perigosos ou que apresentam um risco grave para a saúde e para a segurança dos consumidores".

O relatório chama ainda a atenção para a utilização do comércio eletrónico na compra de produtos contrafeitos, tendo a delegação aduaneira de encomendas postais do aeroporto de Lisboa suspendido o desalfandegamento de várias remessas de mercadorias e instaurado 11 505 processos, cujo valor ascendeu a mais de 4,4 milhões de euros.

Aumento do comércio eletrónico

Há um "grande incremento do comércio eletrónico, o que implica que o comércio business to business seja complementado pelo crescimento do comércio business to client, geralmente associado a pequenas quantidades por remessa", sublinha o documento.

Neste tipo de remessas de quantidades reduzidas, em regra, as marcas não exercem os seus direitos de proteção numa perspetiva de custo/benefício, evitando que a apreensão se realize.

A Inspeção-Geral das Atividades Culturais (IGAC) bloqueou 775 sites da internet e 2 834 118 961 links pirateados no ano passado.

Contudo, e porque o período de bloqueio dos sites é só por um ano, tem de ser pedido um novo controlo; nestes casos foram rebloqueados 233 websites e 646 997 358 links.

Por seu lado, a ASAE procedeu à fiscalização de 4032 sites, tendo instaurado 138 processos-crime e 702 processos de contraordenação.

Hoje assinala-se o Dia Mundial do Combate à Contrafação, cujo objetivo é consciencializar a sociedade para o fenómeno da contrafação e da pirataria e para os danos económicos causados por este tipo de comércio ilícito.

Ler mais

Exclusivos