António Costa diz que declarações sobre Monchique foram "descontextualizadas e deturpadas"

Primeiro-ministro sublinha que nunca tentou desvalorizar a gravidade da situação.

O primeiro-ministro António Costa considera que as suas declarações relativamente aos incêndios deste verão, proferidas na quarta-feira na Autoridade Nacional de Proteção Civil, "foram descontextualizadas e deturpadas" pela comunicação social.

Uma nota enviada pelo gabinete do primeiro-ministro esclarece que António Costa "não só não procurou desdramatizar ou desvalorizar a gravidade da situação em Monchique como disse, pelo contrário, que a situação era alarmante e ia agravar-se": "É uma operação que vai ainda decorrer ao longo dos próximos dias. E não vale a pena termos a ilusão de pensar que este incêndio será apagado nas próximas horas. Não será apagado nas próximas horas. As próximas horas vão ser particularmente adversas, quer do ponto de vista da temperatura, quer do ponto de vista da velocidade do vento, quer do ponto de vista da humidade relativa."

O primeiro-ministro sublinhou que, perante uma situação climatérica que o IPMA classificou de "situação excecional de calor que nunca tinha sido observada no país, em que dia 4 de agosto foi o mais quente do século e todos os recordes foram batidos", foram registadas 582 ignições nestes cinco dias mais críticos, destas 582 ignições só foram registados 26 incêndios e desses apenas um, o de Monchique, teve esta dimensão. Ou seja, este, obviamente, é uma exceção. É a exceção que confirma a regra do que aconteceu no conjunto do país.

Também é falso, diz o gabinete do PM, "que as palavras do primeiro-ministro tenham sido para elogiar as políticas de prevenção promovidas pelo governo. O primeiro-ministro elogiou, sim, todos os portugueses, pelo esforço de limpeza feito ao longo do ano e pela contenção de comportamentos de risco. As primeiras palavras foram, aliás, dirigidas às populações, em segundo lugar aos agentes de proteção civil e em terceiro lugar aos autarcas, nunca se tendo referido à atuação do governo".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.