Ministro diz que apelos para as pessoas ficarem nas casas são crime

Ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, está esta sexta-feira em Monchique. O governante considerou que "quem incentiva a que as populações se coloquem em risco está a cometer um apelo ao crime"

Patrícia Viegas
Ministro da Admnistração Interna Eduardo Cabrita© ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUS

O ministro da Administração Interna disse esta sexta-feira, em Monchique, que quem incentivou as populações a colocarem-se "em risco" durante o combate ao incêndio em Monchique cometeu "um apelo ao crime", afirmando compreender a angústia das pessoas afetadas pelo fogo.

"Quem incentiva a que as populações se coloquem em risco está a cometer um apelo ao crime. Quem na comunicação social permita dar uma ideia de que é melhor ficar a defender o que é indefensável está a prestar um mau serviço público", afirmou Eduardo Cabrita.

O ministro da Administração Interna respondia assim aos jornalistas, após um 'briefing' no posto de comando da Proteção Civil instalado no centro da vila algarvia, distrito de Faro, quando questionado sobre a ação da GNR durante as operações de retirada da população.

Eduardo Cabrita afirmou hoje que a "grande vitória" do incêndio que deflagrou em Monchique é a inexistência de vítimas mortais, destacando a "notável" operação da Proteção Civil no combate ao fogo.

"É possível neste momento, em que a estrutura operacional considera [o incêndio] tecnicamente dominado, dizer [...] que a grande vitória é: vítimas zero. É esse o grande balanço deste incêndio", afirmou o governante aos jornalistas, após um 'briefing' no posto de comando da Proteção Civil, instalado no centro da vila algarvia, no distrito de Faro.