Várias localidades na serra de Monchique com falhas nas redes móveis

Incêndio de Monchique afetou um 'site' móvel e alguns serviços fixos, mas reposição depende da autorização da Proteção Civil. Presidente da Câmara, Rui André, mostrou-se preocupado com as falhas nas redes telefónicas

DN/Lusa
© MIGUEL A. LOPES/LUSA

Várias localidades na serra de Monchique estão sem telecomunicações móveis, estando as operadoras a aguardar autorização da Proteção Civil para intervir no terreno e restabelecer a totalidade das comunicações, afirmaram esta terça-feira as empresas.

Contactada pela agência Lusa, fonte da NOS confirmou que o incêndio afetou "um 'site' móvel e alguns dos serviços fixos", estando a empresa a aguardar autorização para poder reparar os danos causados.

"Neste momento, os serviços que ainda não estão repostos -- um 'site' móvel e alguns serviços fixos -, dependem apenas de autorização da Proteção Civil para que possamos iniciar os trabalhos de reparação da infraestrutura danificada e restabelecer, o mais rápido possível, os serviços aos clientes que foram afetados", informou.

Fonte da Vodafone disse à agência Lusa que "desde esta manhã há duas estações em baixo", devido à falha de energia que "poderá causar interrupções no serviço".

"Não conseguimos prever quando será solucionado o problema porque estamos dependentes do parceiro. Não se trata de serviços nossos queimados, mas sim de falta de energia que coloca as nossas estações em baixo", afirmou.

De acordo com a mesma fonte, as duas estações localizam-se nas Caldas de Monchique, no concelho de Monchique.

Contactada pela agência Lusa, fonte da Altice Portugal afirmou que "está ativamente a colaborar com todas as autoridades", tendo alocado a Monchique, desde sexta-feira, "cerca de uma centena de técnicos especializados que acompanham o evoluir da situação no terreno".

A mesma fonte confirmou que na madrugada desta terça-feira foram "danificadas estruturas de comunicação móvel", estando a ser feita a reposição do serviço.

"Neste momento, o serviço móvel tem sido todo reposto e reforçado através da unidade móvel (transportável) da Altice Portugal, que foi prontamente acionada e que continuará a dar apoio nesta região afetada, com a instalação da mesma na zona urbana de Monchique. No terreno, estão também várias dezenas de técnicos especializados da Altice Portugal em coordenação com as autoridades no teatro das operações", informou a empresa num comunicado enviado à Lusa.

Ainda de acordo com fonte da Altice Portugal, "o sucesso da operação de reposição", das comunicações móveis, depende da validação da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) para que possam intervir no terreno.

A Altice Portugal informou ainda que se "mantém atenta à operacionalidade da rede SIRESP" (utilizada pelas forças de segurança e socorro), que "até ao momento se encontra operacional e sem falhas relevantes".

O presidente da Câmara de Monchique mostrou-se hoje preocupado com as falhas nas redes fixa e móvel que estão a afetar o concelho, lembrando que há habitantes em zonas isoladas que apenas dispõem da rede fixa para contactar o exterior.

Rui André disse à Lusa que aguarda que as operadoras "reponham rapidamente as comunicações através de sistemas alternativos" para que seja possibilitado o contacto, sobretudo numa situação de emergência como a que se vive em Monchique, pelo quinto dia.

Não há comunicações telefónicas no posto de Correios, nas agências bancárias e estabelecimentos comerciais

A situação está, sobretudo, a afetar a rede fixa de telecomunicações e não apenas nas zonas rurais do concelho, também há falhas graves nas comunicações na vila de Monchique.

Na zona urbana, desde a manhã de terça-feira que não há comunicações telefónicas no posto de Correios, nas agências bancárias e estabelecimentos comerciais, constatou a agência Lusa no local.

Fonte da Proteção Civil justificou a situação com a destruição de várias linhas telefónicas pelo fogo na serra de Monchique, levando a que as comunicações tivessem colapsado durante a manhã.

A situação começou a melhorar ao início da tarde, embora ainda com muitas falhas e grandes dificuldades em estabelecer contactos através da rede fixa e de todas as operadoras móveis.

Neste incêndio rural, que deflagrou na sexta-feira, há 29 feridos ligeiros e um grave.

Num balanço feito na segunda-feira, as autoridades informaram que arderam entre 15.000 e 20.000 hectares.