Proteção Civil preocupada com intensidade do vento prevista para quarta-feira

A Proteção Civil sublinhou a necessidade de manter o estado de alerta especial vermelho em sete distritos do país (Braga, Bragança, Guarda, Porto, Viana do Castelo, Vila Real e Viseu), pelo menos até às 23.49 de quarta-feira, e não exclui a possibilidade de o vir a prolongar ou a alargar a outros distritos.

Susete Henriques
Arquivo© Foto André Vidigal/Global Imagens

A Autoridade Nacional de Proteção Civil informou hoje que vai manter, pelo menos até ao final de quarta-feira, o alerta vermelho em sete distritos do país e alertou para a intensidade do vento que se vai fazer sentir.

Num balanço feito nesta tarde aos jornalistas na sede da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), em Carnaxide, o adjunto nacional de Operações, Sérgio Gomes, manifestou-se preocupado com a "intensificação do vento" prevista para o dia de quarta-feira.

"É para nós mais preocupante aquilo que se perspetiva no dia de amanhã [quarta-feira], a intensificação do vento, do que propriamente a temperatura", afirmou o responsável da ANPC, referindo-se ao facto de estar prevista uma baixa de temperaturas.

Sérgio Gomes ressalvou a necessidade de manter o estado de alerta especial vermelho em sete distritos do país (Braga, Bragança, Guarda, Porto, Viana do Castelo, Vila Real e Viseu), pelo menos até às 23.49 de quarta-feira, não excluindo a possibilidade de o vir a prolongar ou a alargar a outros distritos.

Até às 17.00 desta terça-feira tinham sido registadas 70 ocorrências, das quais 19 tinham ocorrido em período noturno.

"Durante a manhã (de quarta-feira) iremos reunir-nos com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera no sentido de aferir o que se irá passar no que se refere ao estado de alerta especial", apontou.

Até às 17.00 desta terça-feira tinham sido registadas 70 ocorrências, das quais 19 tinham ocorrido em período noturno.

O responsável da ANPC destacou ainda que, apesar de o número de ocorrências ter aumentado, desde sexta-feira "houve uma diminuição na área ardida".

"O ataque inicial de forma musculada tem debelado a grande maioria das ocorrências", justificou.