Ambientalistas alertam Obama para má atuação de país "campeão de fogos"

"Vocês estão a visitar um país que é um campeão mundial não em futebol, mas em fogos florestais", lê-se na carta dirigida ao ex-presidente dos EUA e ao premiado com o Nobel da Paz Mohan Munasinghe

Cinco associações ambientalistas nacionais dirigiram esta quinta-feira uma carta aberta a Barack Obama e restantes oradores da conferência sobre alterações climáticas, a decorrer no Porto, apelando a que repudiem a performance de Portugal enquanto "campeão de fogos florestais".

Críticas à atuação do Governo relativamente às hidroelétricas e à indústria petrolífera também constam do documento assinado pela Acréscimo - Associação de Promoção ao Investimento Florestal, pela Alvorecer Florestal - Movimento pela Floresta Autóctone, pelo GEOTA - Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente, pelo Movimento Gaio - Associação de Defesa do Ambiente e pelo proTEJO - Movimento Pelo Tejo.

"Em proporção à sua área, não há nenhum país no mundo inteiro que tenha fogos mais severos, que queimam as nossas paisagens a cada ano e que passaram a matar pessoas desde há pouco"

"Vocês estão a visitar um país que é um campeão mundial não em futebol, mas em fogos florestais", lê-se na carta dirigida ao ex-presidente dos Estados Unidos da América e também ao premiado com o Nobel da Paz Mohan Munasinghe, à ex-diretora geral da UNESCO Irina Bokova e ao conselheiro económico político Juan Verde.

"Em proporção à sua área, não há nenhum país no mundo inteiro que tenha fogos mais severos, que queimam as nossas paisagens a cada ano e que passaram a matar pessoas desde há pouco. Em proporção com a sua área, Portugal tem a maior densidade de plantações de eucalipto no mundo inteiro, espécie que é bem conhecida por promover o fogo e até se chama 'árvore gasolina' na sua terra natal", realça o documento.

Os ambientalistas portugueses referem ainda que, de acordo com o observatório Global Forest Watch, e mesmo sem considerar as plantações, "entre 2001 e 2014 Portugal teve a quarta maior percentagem de perda de coberto florestal, ficando nos rankings apenas atrás da Mauritânia, do Burkina Faso e da Namíbia".

"Porque é que um país com uma insulação tão grande não está a produzir mais energia solar e a promover a eficiência energética?", questionam as associações ambientalistas

A carta observa depois que os líderes económicos e políticos portugueses encaram as barragens "como parte do mix de energias renováveis" quando deviam questionar se "uma indústria pode ser ecologicamente sustentável se despeja milhões de toneladas de cimento" para construir uma única dessas barreiras.

"Como é que esta indústria pode ser chamada renovável quando submerge grandes habitats de flora e fauna endémicas, e vastas extensões de floresta e fruta nativas, deixando-as a apodrecer e a emitir metano, gás de efeito de estufa dezenas de vezes mais potente a aquecer o nosso planeta do que o CO2?", questiona o documento. "Porque é que um país com uma insulação tão grande não está a produzir mais energia solar e a promover a eficiência energética?", acrescenta.

Os ecologistas reclamam ainda que, "em estreita colaboração com a indústria petrolífera doméstica e estrangeira, o Governo português está ansioso por levar a cabo uma série de perfurações profundas em terra e no mar, para a exploração futura de petróleo e gás, sem estudos de impacto ambiental legalmente exigidos e compulsivos".

"Pedimos-vos que tomem uma posição pública e decisiva em direção a um futuro limpo para todos, à paragem de todos os investimentos em combustíveis fósseis, ao fim das grandes centrais hidroelétricas e à promoção da eficiência energética e da plantação massiva de espécies autóctones e folhosas em detrimento das invasivas como eucalipto, pinheiro e acácia"

"Parece que estamos encurralados em discussões tecnicistas, na arena política e ao nível decisório, mas, na realidade, estamos a lidar com um assunto ético - o mundo dos nossos netos", defendem.

A carta aberta aos oradores da Climate Change Leadership Porto Summit 2018 deixa, por isso, o apelo: "Pedimos-vos que tomem uma posição pública e decisiva em direção a um futuro limpo para todos, à paragem de todos os investimentos em combustíveis fósseis, ao fim das grandes centrais hidroelétricas e à promoção da eficiência energética e da plantação massiva de espécies autóctones e folhosas em detrimento das invasivas como eucalipto, pinheiro e acácia".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.