Alunos do Porto contestam cortes e duvidam que vagas para o Interior sejam preenchidas

Federação Académica defende que objetivo de qualificar mais portugueses não será alcançado retirando oferta em Lisboa e no Porto, onde existe "capacidade instalada e corpo docente"

O presidente da Federação Académica do Porto (FAP), João Videira, critica a redistribuição de vagas promovida neste ano pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, que retirou 1066 lugares a nove universidades, institutos politécnicos e escolas superiores de Lisboa e do Porto. Em declarações ao DN, O dirigente estudantil defende que "não será a retirar vagas a instituições de Lisboa e do Porto, onde existe capacidade instalada e corpo docente, que serão alcançados os objetivos de aumento de qualificação dos portugueses". O estudante do Instituto Superior de Engenharia do Porto garante ainda que muitas das instituições que foram beneficiadas neste concurso nacional de acesso "não vão conseguir" preencher os novos lugares que criaram, por falta de procura.

"No caso das instituições de Coimbra, Aveiro e Braga, acredito que [os novos lugares] sejam preenchidos", admite. "Mas as outras cerca de 500 vagas afetadas às instituições mais do Interior não o serão claramente", aposta. Para ilustrar essa convicção, o estudante dá o exemplo de instituições agora beneficiadas com aumentos de vagas que, em concursos anteriores, têm ficado longe de preencher todos os lugares na 1.ª fase, como "A Universidade do Algarve, a Universidade de Aveiro e o Politécnico de Bragança".

Muitas instituições acabam por preencher os lugares não colocados na 1.ª fase através de outros concursos, nomeadamente o destinado a maiores de 23 anos, e João Videira admite que possa ser esse o destino de muitos dos lugares agora transferidos. O problema, defende, é que o sistema "não está preparado" para trabalhar convenientemente com estes alunos, "geralmente trabalhadores estudantes", como demonstram os resultados. "Há um relatório da Direção-Geral de Estatísticas da Educação e da Ciência que indica que, ao fim de três anos, 50% dos que ingressaram através do regime para maiores de 23 anos abandonaram."

Admitindo a "relevância" de se promover o desenvolvimento do interior do País, o dirigente da FAP considera também que isso "não foi feito" nestas vagas, "já que cerca de metade dos mais de mil lugares retirados a Lisboa e Porto foram para outras instituições localizadas no Litoral do país". Em todo o caso, defende, se o objetivo era fazer discriminação positiva, esta deveria ter acontecido permitindo a criação de novas vagas e não eliminando de um lado para criar no outro". Quanto ao argumento do governo de que mais de 70% dos estudantes do superior estão em Lisboa e Porto, João Videira considera que o impacto desta medida "é residual" nesse campo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)