Alive: ASAE detém sete pessoas por especulação nos bilhetes

Os bilhetes, que custam entre entre 65 e 149 euros, estavam a ser vendidos por valores que iam dos 100 aos 230 euros

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) deteve sete pessoas por especulação na venda de bilhetes para o festival Alive, que hoje começa, e instaurou dez processos-crime neste âmbito, anunciou aquela força policial.

"Até ao momento, foram instaurados dez processos crime, detidos sete indivíduos, em flagrante delito e ainda identificados mais três indivíduos, em vários pontos do país, designadamente, nas cidades de Coimbra, Maia, Torres Vedras, Porto, Lisboa, Setúbal e Pombal, pela prática do Crime de Especulação, sobre o valor de venda oficial de bilhetes para os concertos, encontrando-se os sites/plataformas a ser objeto de investigação quanto à oferta e disponibilização de bilhetes a titulo especulativo", referiu a ASAE em comunicado, acrescentando que foram apreendidos 20 bilhetes (12 diários e oito passes de três dias).

Em declarações à Lusa, o inspetor-geral da ASAE, Pedro Portugal Gaspar, explicou que a ação se insere "numa estratégia que a ASAE já tem desenvolvido nos tempos mais recentes", de "combater a especulação da venda dos bilhetes acima do valor facial" em "grandes eventos, sejam culturais, musicais ou mesmo desportivos".

"Os eventos musicais são uma componente importante da nossa atenção, tal como são os fenómenos desportivos, no fundo os grandes eventos onde se coloca uma procura superior à oferta ou onde há condições para que aconteça alguma distorção das regras normais e haja esse aproveito da procura grande e tente beneficiar ilicitamente", realçou o inspetor-geral.

Os bilhetes em causa, com preços entre 65 e 149 euros, para bilhetes diários e passes, respetivamente, estavam a ser vendidos a valores que iam dos 100 aos 230 euros.

"Há aqui naturalmente uma situação relativamente nova nos tempos mais recentes que é a pesquisa dessa oferta no 'online'. Significa que a publicitação cada vez é feita mais por via do recurso aos meios digitais e consequentemente acompanhamos as novas tendências de veiculação de informação, para depois ser concretizada a transação física e atuar em flagrante nesse tipo de situação", afirmou Pedro Portugal Gaspar.

Segundo a ASAE, os arguidos foram levados a tribunal, tendo sido aplicadas suspensões de processo, na sequência dos pagamentos de valores a Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) ou a realização de trabalho comunitário.

A ASAE recordou ainda que o crime de especulação é punido com pena de prisão até três anos.

O regresso dos Arctic Monkeys a Portugal, com álbum novo editado em maio, marca hoje o primeiro dia da 12.ª edição do festival Alive, que decorre no Passeio Marítimo de Algés, Oeiras, com lotação esgotada.

O regresso dos Arctic Monkeys a Portugal é também um regresso ao palco principal do NOS Alive, onde atuaram em 2014. Desta vez, a banda britânica deverá aproveitar para apresentar temas de "Tranquility Base Hotel & Casino", o sexto álbum de originais da banda e o mais calmo de todos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.