Alimentação das cantinas escolares motivou 854 queixas este ano letivo

Foram servidas mais de 25 milhões de refeições aos alunos do 2.º e 3.º ano de escolaridade e ensino secundário de escolas cujas cantinas estão concessionadas a privados

As refeições escolares servidas aos alunos, este ano letivo, motivaram 854 queixas, sendo as principais causas de reclamação a falta de pessoal e a qualidade e quantidade dos alimentos, revela o relatório anual do Ministério da Educação (ME).

Ao longo do ano letivo, que agora terminou, foram servidas mais de 25 milhões de refeições aos alunos do 2.º e 3.º ano de escolaridade e ensino secundário de escolas cujas cantinas estão concessionadas a privados.

Segundo o relatório divulgado pela Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares (DGEstE), foram feitas 854 denúncias, principalmente por falta de pessoal (266 reclamações), por servirem refeições muito pequenas (263 queixas) e servirem alimentos sem qualidade (163).

Depois de mais um arranque de ano letivo marcado por críticas de alunos e encarregados de educação aos refeitórios, o ME desenhou e implementou um plano de controlo da qualidade das refeições.

Foram criadas equipas regionais de fiscalização que, ao longo do ano, realizaram cerca de 80 visitas a cantinas e provaram quase 165 mil refeições, tendo avaliado positivamente esses pratos.

Uma cantina da região de Lisboa e Vale do Tejo foi multada em 250 euros por falta de condições de higiene

O relatório conclui que a presença das equipas melhorou o serviço prestado e reduziu o número de queixas, destacando-se o Alentejo, onde deixaram de se registar reclamações em 57,1% das escolas que anteriormente tinham sido alvo de denúncias.

Curiosamente foi no Alentejo que se aplicaram mais multas, todas por falta de pessoal.

Uma cantina da região de Lisboa e Vale do Tejo também foi multada em 250 euros por falta de condições de higiene. Já as inspeções feitas no norte motivaram apenas 18 propostas de notificação de penalização.

As quase 165 mil refeições testadas pelas equipas de fiscalização tiveram uma avaliação média de "Bom" nos seis itens: confeção, qualidade dos produtos, apresentação do serviço e do pessoal, eficiência e higiene.

Há cinco mil escolas públicas e quase todas têm um refeitório: Dos 1.148 refeitórios nas escolas do 2º e 3º ciclo e secundário, mais de metade (778) é gerido por empresas

No entanto, a análise destas equipas não previa a avaliação do rácio de pessoal nem a quantidade dos produtos, as duas situações que provocam mais reclamações.

Em média, cada refeição servida nos 776 refeitórios concessionados pela DGestE custaram cerca de 70 cêntimos, já que as 26.514.879 (26,5 milhões) refeições tiveram um custo total de 37.846.835 (37,8 milhões) euros, segundo os números do relatório.

Os 776 refeitórios forneceram, em média, 170 mil refeições por dia.

Há cinco mil escolas públicas e quase todas têm um refeitório: Dos 1.148 refeitórios nas escolas do 2º e 3º ciclo e secundário, mais de metade (778) é gerido por empresas, sendo os restantes geridos pelas escolas (348) e autarquias (24).

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.