Algarve: chamadas telefónicas a convocar para falso rastreio de cancro da mama

A Administração Regional de Saúde do Algarve alertou para a realização de chamadas telefónicas fraudulentas com o intuito de recolher dados pessoais para falsos rastreios do cancro da mama.

Em comunicado, a Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve adiantou que a pessoa que contacta as utentes intitula-se como médica e responsável pelo programa de rastreio daquele organismo regional, solicitando dados pessoais e procedimentos "que nada têm a ver" com o Programa de Rastreio do Cancro da Mama no Algarve.

"A ARS/Algarve participará às autoridades competentes as referidas ocorrências", lê-se na nota, referindo que o núcleo de rastreios daquela entidade teve conhecimento da situação através de denúncias de utentes, e que se tratam de atos "suscetíveis de afetar a confiança da população nos rastreios legítimos efetuados no âmbito dos programas do Ministério da Saúde".

O Programa de Rastreio do Cancro da Mama no Algarve, efetuado em parceria com a Associação Oncológica do Algarve e o Centro Hospitalar Universitário do Algarve (CHUA), começou em setembro de 2005 e percorre todos os concelhos da região.

Atualmente, o programa de rastreio encontra-se "já na sétima volta, sendo a convocatória das utentes, referenciação, gestão e monitorização do programa efetuado pelo núcleo de rastreios da ARS/Algarve.

Todas as mulheres entre os 50 e os 69 anos inscritas nos centros de saúde da região são contactadas por carta enviada por aquele núcleo, com a convocatória para a realização de uma mamografia digital gratuita numa unidade móvel de saúde, que é deslocada para os centros de saúde de cada concelho.

"Só em casos excecionais podem as utentes serem contactadas por telefone, mas apenas para reforço da marcação de rastreio, e nunca para solicitar informações pessoais às utentes de qualquer teor", sublinhou, ainda, a ARS/Algarve.

As ações de rastreio são sempre publicitadas no portal www.arsalgarve.min-saude.pt, divulgação "que pode ser complementada através de cartazes, mas nunca por contacto pessoal, designadamente telefónico", conclui.

Exclusivos

Premium

Betinho

"NBA? Havia campos que tinham baldes para os jogadores vomitarem"

Nasceu em Cabo Verde (a 2 de maio de 1985), país que deixou aos 16 anos para jogar basquetebol no Barreirense. O talento levou-o até bem perto da NBA, mas foi em Espanha, Andorra e Itália que fez carreira antes de regressar ao Benfica para "festejar no fim". Internacional português desde os Sub-20, disse adeus há seleção há apenas uns meses, para se concentrar na carreira. Tem 34 anos e quer jogar mais três ou quatro ao mais alto nível.