Chegou o verão. Então, que tempo é este?

As condições climatéricas estão a ser influenciadas por uma "depressão que está situada a oés-sudoeste do território", e por "uma massa de ar quente e húmida". Aguaceiros e trovoadas ficam até sexta-feira

O verão chegou esta quinta-feira, mas não parece. Tudo por "culpa" dos aguaceiros, acompanhados por granizo e trovoada, que vão manter-se até sexta-feira, segundo disse ao DN a meteorologista Joana Sanches.

A instabilidade vai manter-se até domingo

"As condições de instabilidade vão manter-se para o resto do dia de hoje e para amanhã, em especial na região Norte e Centro", explica Joana Sanches, do Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

Não é ainda a altura de guardar o chapéu de chuva. "A instabilidade vai manter-se até domingo". Embora com "menor intensidade", espera-se para o fim de semana a ocorrência de "aguaceiros acompanhados por trovoada sobretudo nas regiões do Norte e Centro e no interior destas regiões".

No fim de semana, a máxima deverá situar-se entre os 34 e os 36 graus na região do Nordeste Transmontano

Apesar de já estarmos no verão, esta não é "uma situação atípica", esclarece Joana Sanches. Estas condições climatéricas estão a ser influenciadas por uma "depressão que está situada a oés-sudoeste do território", e por "uma massa de ar quente e húmida", que vai "manter-se nos próximos dias" explica a meteorologista.

As temperaturas máximas vão rondar os 30 graus em todo o país. "Com os dados que temos, é possível que sejam emitidos avisos para a região do nordeste transmontano devido às elevadas temperaturas", revela. A máxima para esta região deverá situar-se "entre os 34 e os 36 graus".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.