Agente da PSP suspeito de assaltar casas

Uma das residências roubada a norte do país, foi a do cantor pimba Delfim Júnior. O polícia tinha sido baixista na sua banda.

O Tribunal de Braga vai continuar a ouvir esta terça-feira nove indivíduos, entre os quais um agente da PSP, detidos no domingo pela GNR por alegado envolvimento em vários assaltos no norte. Segundo um dos advogados do processo, um dos assaltos em questão terá ocorrido na Páscoa e teve como alvo a residência do cantor popular Delfim Júnior, em Arcos de Valdevez.

O PSP detido presta serviço na Esquadra de Ponte de Lima e já tocou na banda de Delfim Júnior, os Ympério Show. Os detidos chegaram ao Tribunal de Braga ao início da tarde desta segunda-feira, em viaturas da GNR, mas até à noite apenas foi ouvido, em primeiro interrogatório judicial, o agente da PSP, prosseguindo a audição dos restantes na tarde de terça-feira.

"É um processo muito extenso, vai ser seguramente muito demorado", disse o mesmo advogado. Só depois de ouvidos todos os arguidos é que serão conhecidas as medidas de coação.

Ao longo de todo o dia, a GNR escusou-se a revelar quaisquer pormenores sobre o caso, alegando que ainda há diligências em curso. A GNR suspeita que este grupo tenha levado a cabo dezenas de furtos em moradias de luxo - que terão rendido mais de um milhão de euros.

A detenção decorreu no âmbito de uma operação realizada pelo Núcleo de Investigação Criminal da GNR de Braga, durante o domingo em diversos concelhos do Minho, nomeadamente Braga, Ponte de Lima, Vila Verde, Guimarães e Famalicão. A casa do cantor Delfim Júnior foi assaltada em abril deste ano. Foram levados cerca de 230 mil euros, em dinheiro, que estavam escondidos em sacos de ração para cães. O polícia conhecia a casa do cantor, o que terá facilitado o acesso à habitação.

O baixista foi detido este domingo de manhã em casa. Na mesma operação, a GNR apreendeu dezenas de carros, de gama alta, numa oficina de Famalicão.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.