Agendar a renovação do cartão de cidadão ou passaporte: novo site mostra a demora

Os tempos de espera podem ser longos, em algumas zonas do país. Chegar cedo à Loja do Cidadão não resulta. Mas o agendamento online pode resolver o problema

Nos últimos meses, renovar o cartão de cidadão, ou o passaporte, tornou-se difícil. Longas filas de espera nas Lojas do Cidadão esgotavam o atendimento dos serviços ainda antes da hora de abertura, em algumas cidades, como Lisboa.

O problema é conhecido: faltam funcionários para o atendimento, há mais procura (por várias causas, como as alterações à Lei da Nacionalidade). O que não era, até agora, possível de saber é a previsão, comparada, do agendamento disponível.

O Instituto dos Registos e do Notariado (IRN) tem um site próprio para que qualquer cidadão agende a renovação dos seus documentos. Mas a procura limita-se ao distrito, e concelho, que cada um de nós escolhe para marcar o agendamento.

Mas, em muitos casos, compensa marcar (pela urgência), num concelho próximo, ou mesmo noutro distrito.

Por isso, o perito informático João Pina criou um site onde estão visíveis as datas mais próximas em cada um dos distritos do País.

Aí é visível, por exemplo, que em Lisboa só há datas disponíveis para outubro. Mas em Mafra, é possível marcar para o início de setembro. Se a urgência for maior, em Leiria é possível marcar já para 20 de julho.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.