Aeroporto de Lisboa poderá ter 48 movimentos por hora em 2020

A confirmar-se, o aeroporto teria mais dez movimentos do que a média atual.

O Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, poderá chegar, em 2020, a 48 movimentos por hora, mais dez do que a média atual, no âmbito das simulações feitas na navegação aérea, segundo o ministro do Planeamento e das Infraestruturas.

No final de uma visita ao centro de controlo da NAV, o responsável pela navegação aérea, Pedro Marques, referiu que as simulações feitas mostraram que poderá haver 72 movimentos por hora, quando o esperado aeroporto do Montijo estiver operacional, mas que "pode ser antecipado o sistema point merge para 2020 no caso do Aeroporto Humberto Delgado".

Segue-se agora trabalho com a gestora dos aeroportos, a ANA, para "acelerar a disponibilização das condições físicas", e "se tudo puder, assim, conjugar, a parte da navegação aérea permite aumentar a capacidade de movimentos no Aeroporto Humberto Delgado bem para lá dos 40 movimentos por hora já no ano de 2020", segundo o ministro, que precisou que se poderá aumentar a média atual de 38 movimentos para 48.

O ministro recordou estar contratado o novo sistema de navegação aérea, tendo ficado "abaixo do orçamento de 40 milhões de euros de investimento global da NAV", e que deverá começar a operar em 2021, quando há a "expectativa de o aeroporto complementar do Montijo estar em conclusão".

A manhã começou com mais uma reunião de coordenação das várias entidades do aeroporto de Lisboa para responder aos constrangimentos vividos na estrutura, depois de um encontro há cerca de 15 dias, recordou o ministro.

Atualmente, segundo Pedro Marques, estão a ser implementadas medidas, como um novo sistema de navegação aérea que "permite mais voos numa das pistas do aeroporto de Lisboa" e que deverá estar disponível "até ao fim deste trimestre".

Na lista de medidas para gerir "um aeroporto saturado, muito congestionado, porque atingiu praticamente o limite da sua capacidade", estão ainda "o reforço de meios do handling", num investimento que foi da ordem dos seis milhões de euros este ano, e novos equipamentos de controlo de segurança, disponibilização de informação do "tempo de espera no Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) em painéis bastante visíveis".

O governante referiu ainda que a transportadora aérea nacional TAP, detida em 50% pelo Estado, vai "contratar até cerca de 300 pilotos, mas com um número global de pilotos promovidos, para posição de comandante, nomeadamente, ou para outras aeronaves, até 800 pilotos".

Também estão a ser reforçados funcionários da ANA e da TAP para informarem os passageiros em situações de atrasos ou de cancelamentos de voos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.