Aeroporto de Lisboa poderá ter 48 movimentos por hora em 2020

A confirmar-se, o aeroporto teria mais dez movimentos do que a média atual.

O Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, poderá chegar, em 2020, a 48 movimentos por hora, mais dez do que a média atual, no âmbito das simulações feitas na navegação aérea, segundo o ministro do Planeamento e das Infraestruturas.

No final de uma visita ao centro de controlo da NAV, o responsável pela navegação aérea, Pedro Marques, referiu que as simulações feitas mostraram que poderá haver 72 movimentos por hora, quando o esperado aeroporto do Montijo estiver operacional, mas que "pode ser antecipado o sistema point merge para 2020 no caso do Aeroporto Humberto Delgado".

Segue-se agora trabalho com a gestora dos aeroportos, a ANA, para "acelerar a disponibilização das condições físicas", e "se tudo puder, assim, conjugar, a parte da navegação aérea permite aumentar a capacidade de movimentos no Aeroporto Humberto Delgado bem para lá dos 40 movimentos por hora já no ano de 2020", segundo o ministro, que precisou que se poderá aumentar a média atual de 38 movimentos para 48.

O ministro recordou estar contratado o novo sistema de navegação aérea, tendo ficado "abaixo do orçamento de 40 milhões de euros de investimento global da NAV", e que deverá começar a operar em 2021, quando há a "expectativa de o aeroporto complementar do Montijo estar em conclusão".

A manhã começou com mais uma reunião de coordenação das várias entidades do aeroporto de Lisboa para responder aos constrangimentos vividos na estrutura, depois de um encontro há cerca de 15 dias, recordou o ministro.

Atualmente, segundo Pedro Marques, estão a ser implementadas medidas, como um novo sistema de navegação aérea que "permite mais voos numa das pistas do aeroporto de Lisboa" e que deverá estar disponível "até ao fim deste trimestre".

Na lista de medidas para gerir "um aeroporto saturado, muito congestionado, porque atingiu praticamente o limite da sua capacidade", estão ainda "o reforço de meios do handling", num investimento que foi da ordem dos seis milhões de euros este ano, e novos equipamentos de controlo de segurança, disponibilização de informação do "tempo de espera no Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) em painéis bastante visíveis".

O governante referiu ainda que a transportadora aérea nacional TAP, detida em 50% pelo Estado, vai "contratar até cerca de 300 pilotos, mas com um número global de pilotos promovidos, para posição de comandante, nomeadamente, ou para outras aeronaves, até 800 pilotos".

Também estão a ser reforçados funcionários da ANA e da TAP para informarem os passageiros em situações de atrasos ou de cancelamentos de voos.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.