Mais acidentes fizeram 422 mortos nos primeiros dez meses do ano

Em relação ao período homólogo do ano passado há mais dois mil acidentes mais dois mortos e menos 95 feridos graves. Lisboa é o distrito com mais acidentes

Os acidente rodoviários aumentaram nos primeiros dez meses do ano e provocaram a morte a 422 pessoas, segundo o último relatório da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR).

O documento, que abrange o período entre janeiro e 31 de outubro, regista 109 030 acidentes, mais do que em período homólogo do ano passado (106 986), 422 vítimas mortais (mais dois), 1 739 feridos graves (menos 95) e 33 742 feridos leves (menos 746).

O distrito com mais acidentes foi o de Lisboa (21 744), seguido do Porto (19 603), Braga (9 255), Faro (9 150), Aveiro (8 903) e Setúbal (8 849).

Já o distrito onde se registaram mais vítimas mortais foi o de Setúbal (61), seguido do Porto (46), Lisboa (42) e Leiria (36).

Segundo o relatório da ANSR, que reúne dados da PSP e da GNR, Lisboa foi o distrito onde se registou maior número de feridos graves (218), seguido de Santarém (178), Faro (164), Porto (158) e Setúbal (141).

Os números da ANSR indicam ainda que na última semana de outubro os acidentes provocaram a morte a 16 pessoas nas estradas portuguesas e fizeram 55 feridos graves. Os dados da ANSR dizem respeito às vítimas cujo óbito foi declarado no local do acidente ou a caminho do hospital.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.