Carro em contramão na A1: dois feridos graves e seis ligeiros

Veículo em contramão terá chocado com pelo menos três viaturas, entre os nós de Grijó e dos Carvalhos, na zona de Vila Nova de Gaia, no sentido Lisboa-Porto.

Oito feridos, dois deles graves, é o balanço de um acidente hoje causado por uma viatura em contramão na autoestrada A1, na zona de Vila Nova de Gaia, no sentido Lisboa-Porto, informaram os bombeiros.

O acidente, cujo alerta foi recebido pelos bombeiros às 19:40, deu-se quando um veículo ligeiro circulava em contramão entre os nós de Grijó e dos Carvalhos, embatendo numa primeira viatura.

Posteriormente, 400 metros à frente, o mesmo veículo em contramão chocou com mais duas viaturas ligeiras.

Do acidente resultaram oito feridos, dois deles graves, disse à Lusa o adjunto de comando dos Bombeiros Voluntários dos Carvalhos, Patrício Ramalho, precisando que as vítimas com ferimentos graves, incluindo o condutor da viatura em contramão, foram transportadas para os hospitais de Vila Nova de Gaia e Santa Maria da Feira.

A circulação automóvel na zona do acidente estava perto das 21:30 ainda condicionada a uma faixa de rodagem devido aos trabalhos de limpeza do pavimento, de acordo com o oficial de serviço no comando-geral da GNR.

No local estiveram elementos e viaturas da GNR, do Instituto Nacional de Emergência Médica, dos Bombeiros Sapadores de Vila Nova de Gaia e dos Bombeiros Voluntários dos Carvalhos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.