A ponte sobre o rio Coina é uma miragem

Barreiro e Seixal. Duas cidades que me dizem muito nestes anos de vida, apesar de ser em Lisboa que passo a maior parte dos meus dias.

Tenho, assim, muitas ligações à capital, profissionais - o jornal onde estagiei chamava-se exatamente A Capital, estava no Bairro Alto e ainda hoje há muitas recordações - e também pessoais. Mas o coração, dizem, tem às vezes razões que a razão desconhece. E é por isso que o Barreiro e o Seixal, mais a primeira cidade do que a segunda, têm primazia quando falo onde me sinto bem.

Ainda não tinha entrado na antiga escola primária e já morava no Barreiro. Anos mais tarde mudei-me para o concelho que estava do "outro lado". Ao contrário do que o leitor pode pensar não é Lisboa, mas sim o Seixal. Que, de facto, fica do outro lado do rio - mas do rio Coina, para quem não sabe. Em determinados pontos, quando a maré está baixa, até dá a ilusão de que se pode ir a pé de um lado ao outro. Não dá, mas às vezes apetece.

Principalmente quando se sabe que para ir de uma cidade à outra são 13 quilómetros a percorrer de carro. É por isso que sempre estive atento às notícias sobre a ideia de ser construída uma ponte a ligar as duas cidades na tentativa de substituir uma ligação ferroviária que existiu até 1969 quando o barco de carga Alger embateu na ponte e levou a que fosse desativada. Projetos para esta infraestrutura já houve alguns, cerimónias para garantir que desta "é que vai ser" também já foram várias. Quanto a promessas estamos, por isso, conversados.

Recentemente escrevi no DN que a ligação estava em stand by porque a Administração do Porto de Lisboa quer que o vão da ponte prometida e apenas pedonal e ciclável seja de 60 e não de 40 metros como as autarquias apresentaram. Logo se levantou a questão do financiamento - mais 1,5 milhões de euros elevando o custo para seis milhões de euros - e os responsáveis do Barreiro voltaram a defender que a via devia ser também rodoviária. Aliás, um plano que até se enquadra nos projetos de cidades ambientalmente sustentáveis, com redes cicláveis. Imagine-se até se podia apostar no turismo ambiental aproveitando o sapal de Coina e a Reserva Natural da Mata da Machada (Barreiro).

Mas fiquei a saber pelo jornal online Rostos que a autarquia barreirense não é favorável à construção da ponte pedonal, principalmente devido ao aumento das despesas de construção. Sei que o Barreiro defende a passagem para carros - até compreendo - mas já percebo menos o facto de se continuar a adiar uma ligação entre duas cidades que muito teriam a ganhar com essa aproximação com menos de um quilómetro. Assim, se quiser ir ver a família só me resta ir pela A33 ou a EN10. Bem, também posso apanhar o barco do Seixal para Lisboa e de lá o barco para o Barreiro. Ou então telefonar-lhes.

Tudo isto me faz lembrar o refrão da canção Ribeira, de um grupo chamado Jáfumega (lembram-se?): "A ponte é uma passagem/ prá outra margem/ A ponte é uma passagem / prá outra margem/ Desafio pairando sobre o rio/ a ponte é uma miragem".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?