A idosa enganada, um vizinho atento e quatro burlões detidos

Esta terça-feira, no bairro do Loureiro, junto à avenida de Ceuta, em Lisboa, a PSP conseguiu prender três mulheres e um homem que tinham enganado e roubado uma idosa em casa. Foram depois libertados pelo tribunal

Ao final da manhã desta terça-feira, uma senhora idosa estava em sua casa quando bateram à porta. Vive sozinha e tem 88 anos. Ingenuamente confiante abriu a porta sem as cautelas básicas, como espreitar para ver se era alguém conhecido. Vive num prédio no bairro do Loureiro, junto à Avenida de Ceuta, em Alcântara, Lisboa.

Na sua entrada encarou com duas mulheres, com pouco mais de 30 anos, que lhe pediram papel e caneta, explicando que queriam deixar um recado a uma vizinha do prédio que esta ausente. Mal teve tempo de responder, quando as duas desconhecidas entraram pela sua casa adentro, seguidas logo por uma terceira mulher.

Conta a PSP, que "ardilosamente, aproveitando a sua vulnerabilidade, dado os seus 88 anos de idade" as mulheres "usaram de pedidos vários como água e a utilização urgente da casa de banho, para, na desatenção aos seus bens, permitir que uma das meliantes, ao introduzir-se no quarto da vitima e remexendo as suas gavetas, retirasse 50€ guardado num envelope, remanescente da sua parca reforma de 200€".

Tudo podia ter acabado mal para a senhora, enganada e vítima de roubo, não fosse um morador atento que, do outro lado da rua, estranhou a presença de um carro desconhecido ali estacionado. Estranhou também que dele tivessem saído três mulheres, que nunca ali tinha visto, e entrado no prédio, ficando um homem ao volante.

Rapidamente a 4ª Divisão Policial, localizada no Largo do Calvário, a cerca de cinco minutos, enviou uma equipa ao local. Tão rapidamente que ainda chegaram a tempo de deter os quatro burlões já dentro da viatura para fugir do local.

Segundo a PSP, "desta intervenção imediata, foi possível recuperar a nota de 50€, devolvendo-a, após localização desta vítima, que ainda assim, não ganhou para o susto pois ainda tentou utilizar o seu telemóvel para pedir apoio, sendo tal aparelho retirado bruscamente das suas mãos e colocado longe do seu alcance".

Na posse das detidas, acrescenta fonte oficial desta força de segurança "foi ainda recuperada a quantia de 73,70€, espalhado nas malas e nos seios, possivelmente de outras vítimas dentro da mesma faixa etária".

Os detidos foram presentes no Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa - Juízo de Instrução Criminal - que os libertou, ficando sujeitos a Termo de Identidade e Residência.

A PSP recorda que faz "centenas de ações de sensibilização junto dos idosos, alertando-os para este tipo de crime, sendo de especial importância o papel dos vizinhos e do policiamento de proximidade que avisa para estes comportamentos ilícitos".

Os conselhos da PSP

- Coloque um óculo e uma corrente de segurança na sua porta;

- Não deixe entrar pessoas suspeitas ou desconhecidas em sua casa;

- Tenha sempre à mão os números de telefone para poder comunicar com alguém, principalmente com a Polícia;

- Se considerar necessária a intervenção da polícia, não hesite em pedir a nossa colaboração, ligue 112, e memorize no seu telemóvel o seguinte número de telefone do Comando Metropolitano de Lisboa da PSP: 21 765 42 42, ou digite no seu telemóvel [21 polícia] Comando Metropolitano de Lisboa da PSP

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.