A idosa enganada, um vizinho atento e quatro burlões detidos

Esta terça-feira, no bairro do Loureiro, junto à avenida de Ceuta, em Lisboa, a PSP conseguiu prender três mulheres e um homem que tinham enganado e roubado uma idosa em casa. Foram depois libertados pelo tribunal

Ao final da manhã desta terça-feira, uma senhora idosa estava em sua casa quando bateram à porta. Vive sozinha e tem 88 anos. Ingenuamente confiante abriu a porta sem as cautelas básicas, como espreitar para ver se era alguém conhecido. Vive num prédio no bairro do Loureiro, junto à Avenida de Ceuta, em Alcântara, Lisboa.

Na sua entrada encarou com duas mulheres, com pouco mais de 30 anos, que lhe pediram papel e caneta, explicando que queriam deixar um recado a uma vizinha do prédio que esta ausente. Mal teve tempo de responder, quando as duas desconhecidas entraram pela sua casa adentro, seguidas logo por uma terceira mulher.

Conta a PSP, que "ardilosamente, aproveitando a sua vulnerabilidade, dado os seus 88 anos de idade" as mulheres "usaram de pedidos vários como água e a utilização urgente da casa de banho, para, na desatenção aos seus bens, permitir que uma das meliantes, ao introduzir-se no quarto da vitima e remexendo as suas gavetas, retirasse 50€ guardado num envelope, remanescente da sua parca reforma de 200€".

Tudo podia ter acabado mal para a senhora, enganada e vítima de roubo, não fosse um morador atento que, do outro lado da rua, estranhou a presença de um carro desconhecido ali estacionado. Estranhou também que dele tivessem saído três mulheres, que nunca ali tinha visto, e entrado no prédio, ficando um homem ao volante.

Rapidamente a 4ª Divisão Policial, localizada no Largo do Calvário, a cerca de cinco minutos, enviou uma equipa ao local. Tão rapidamente que ainda chegaram a tempo de deter os quatro burlões já dentro da viatura para fugir do local.

Segundo a PSP, "desta intervenção imediata, foi possível recuperar a nota de 50€, devolvendo-a, após localização desta vítima, que ainda assim, não ganhou para o susto pois ainda tentou utilizar o seu telemóvel para pedir apoio, sendo tal aparelho retirado bruscamente das suas mãos e colocado longe do seu alcance".

Na posse das detidas, acrescenta fonte oficial desta força de segurança "foi ainda recuperada a quantia de 73,70€, espalhado nas malas e nos seios, possivelmente de outras vítimas dentro da mesma faixa etária".

Os detidos foram presentes no Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa - Juízo de Instrução Criminal - que os libertou, ficando sujeitos a Termo de Identidade e Residência.

A PSP recorda que faz "centenas de ações de sensibilização junto dos idosos, alertando-os para este tipo de crime, sendo de especial importância o papel dos vizinhos e do policiamento de proximidade que avisa para estes comportamentos ilícitos".

Os conselhos da PSP

- Coloque um óculo e uma corrente de segurança na sua porta;

- Não deixe entrar pessoas suspeitas ou desconhecidas em sua casa;

- Tenha sempre à mão os números de telefone para poder comunicar com alguém, principalmente com a Polícia;

- Se considerar necessária a intervenção da polícia, não hesite em pedir a nossa colaboração, ligue 112, e memorize no seu telemóvel o seguinte número de telefone do Comando Metropolitano de Lisboa da PSP: 21 765 42 42, ou digite no seu telemóvel [21 polícia] Comando Metropolitano de Lisboa da PSP

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.