35 horas semanais nos hospitais. Portugal "vai pagar preço elevado", diz Rui Rio

Presidente do PSD critica redução para 35 horas semanais o tempo de trabalho no Serviço Nacional de Saúde. É o preço por agradar a "Partido Comunista e Bloco de Esquerda"

O presidente do PSD disse este sábado que Portugal vai pagar um preço político elevado pela redução das 40 para as 35 horas semanais na saúde, alegando que a medida sustenta o acordo de governo entre a esquerda parlamentar.

"É notório que o Governo teve de fazer esta alteração, passagem de 40 para 35 horas, para poder agradar ao Partido Comunista e ao Bloco de Esquerda e assim formar a coligação parlamentar que foi formada", disse Rui Rio aos jornalistas, à margem da reunião do Conselho Estratégico Nacional do PSD, que hoje decorreu em Coimbra.

O líder social-democrata acrescentou que a medida de redução da carga horária semanal, que se aplica ao setor da saúde a partir deste domingo [1 de julho], foi tomada "por necessidade político-partidária e não por estratégia de gestão da administração pública".

"Aquilo que os portugueses vão perceber cada vez mais e melhor é o custo de uma solução parlamentar onde há choques políticos e ideológicos muito fortes entre o Partido Socialista, o Partido Comunista e o Bloco de Esquerda", argumentou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.