Sofia Portela é a nova presidente da ADSE

A anterior vogal da ADSE sucede a Carlos Liberato Baptista, que pediu a demissão após uma reportagem da TVI

O Governo nomeou esta quinta-feira Sofia Portela para presidente do sistema de saúde dos funcionários público (ADSE) até março de 2020 devido à renúncia ao cargo do atual titular do cargo.

O Governo procedeu à nomeação de "Sofia Maria Lopes Portela para o cargo de presidente do conselho diretivo do Instituto de Proteção e Assistência na Doença (ADSE, I. P.), em virtude da renúncia ao cargo efetuada pelo atual presidente e para completar o mandato em curso que termina em 16 de março de 2020", refere o comunicado divulgado após o Conselho de Ministros de hoje.

Sofia Portela, que desempenha até agora funções de vogal da ADSE, vai substituir Carlos Liberato Baptista, que em maio se demitiu da presidência deste instituto, onde estava desde janeiro de 2017, alegando "motivos pessoais". A demissão de Carlos Liberato Baptista aconteceu após a TVI emitir uma reportagem que levantou suspeitas sobre a sua gestão na Associação de Cuidados de Saúde da antiga Portugal Telecom.

No início de julho, a Polícia Judiciária fez buscas domiciliárias e não domiciliárias no âmbito de um inquérito que tem por objeto a investigação de suspeitas dos crimes de corrupção passiva nos serviços da ADSE. Esta investigação, segundo a imprensa, incidiu sobre o presidente demissionário da ADSE, Carlos Liberato Baptista, por suspeitas de corrupção.

Licenciada em gestão, a nova presidente da ADSE é docente do ISCTE, em Lisboa, e especialista em gestão, tendo ainda passado pelo grupo Sonae.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.