Sofia Portela é a nova presidente da ADSE

A anterior vogal da ADSE sucede a Carlos Liberato Baptista, que pediu a demissão após uma reportagem da TVI

O Governo nomeou esta quinta-feira Sofia Portela para presidente do sistema de saúde dos funcionários público (ADSE) até março de 2020 devido à renúncia ao cargo do atual titular do cargo.

O Governo procedeu à nomeação de "Sofia Maria Lopes Portela para o cargo de presidente do conselho diretivo do Instituto de Proteção e Assistência na Doença (ADSE, I. P.), em virtude da renúncia ao cargo efetuada pelo atual presidente e para completar o mandato em curso que termina em 16 de março de 2020", refere o comunicado divulgado após o Conselho de Ministros de hoje.

Sofia Portela, que desempenha até agora funções de vogal da ADSE, vai substituir Carlos Liberato Baptista, que em maio se demitiu da presidência deste instituto, onde estava desde janeiro de 2017, alegando "motivos pessoais". A demissão de Carlos Liberato Baptista aconteceu após a TVI emitir uma reportagem que levantou suspeitas sobre a sua gestão na Associação de Cuidados de Saúde da antiga Portugal Telecom.

No início de julho, a Polícia Judiciária fez buscas domiciliárias e não domiciliárias no âmbito de um inquérito que tem por objeto a investigação de suspeitas dos crimes de corrupção passiva nos serviços da ADSE. Esta investigação, segundo a imprensa, incidiu sobre o presidente demissionário da ADSE, Carlos Liberato Baptista, por suspeitas de corrupção.

Licenciada em gestão, a nova presidente da ADSE é docente do ISCTE, em Lisboa, e especialista em gestão, tendo ainda passado pelo grupo Sonae.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.