PJ apreende droga que dava para 113 mil pastilhas de ecstasy

Homem de 41 anos foi detido por tráfico de estupefacientes. Parte desta droga sintética seria para vender noutros países

Um homem de 41 anos, de nacionalidade portuguesa, foi detido pela Polícia Judiciária por suspeitas de tráfico de drogas sintéticas. Na operação foi apreendida uma elevada quantidade de MDMA, que segundo a Unidade Nacional de Combate ao Tráfico de Estupefacientes permitiria a introdução no mercado de 113 mil comprimidos de ecstasy.

"A detenção concretizou-se no âmbito de um inquérito em que se investigam as atividades de indivíduos responsáveis pela introdução em território nacional de grandes quantidades de drogas sintéticas, parte delas com destino final a outros países", explicou a PJ em comunicado emitido hoje.

Na nota informativa, a polícia revela que "na sequência das diligências realizadas, foi ainda possível apreender, na região da Grande Lisboa, elevada quantidade de MDMA, o equivalente a pelo menos 113 000 comprimidos de ecstasy, que fruto da atuação policial acabou por não chegar aos circuitos ilícitos de distribuição aos consumidores".

O detido já foi presente a tribunal e foi decretada a prisão preventiva. A investigação prossegue a cargo da Polícia Judiciária "em colaboração com as competentes autoridades de outros países".

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.