Bairro da Jamaica. Governo angolano protesta junto do governo português

A notícia foi avançada pela Rádio Nacional de Angola (RNA). Luanda enviou um protesto diplomático ao governo português

Em causa estão as alegadas agressões e a detenção de que foi alvo um cidadão angolano residente no Bairro da Jamaica (Seixal), Hortêncio Coxi, de 32 anos.

Segundo a RNA, o protesto diplomático angolano teve por base um vídeo dando conta de uma investida de agentes da PSP contra, alegadamente, uma família angolana no Bairro da Jamaica. Tratar-se-á do vídeo divulgado pela deputada do BE Joana Mortágua.

Hortêncio Coxi foi detido pela PSP mas entretanto já libertado. E disse que não atirou pedras à polícia, estava apenas a assistir. Segundo acrescentou, na esquadra onde foi detido terá sido de novo agredido pelos agentes da PSP.

A PSP já anunciou um inquérito ao que se passou este fim de semana no Bairro da Jamaica. As versões dividem-se. A PSP diz que um seu carro e respetivos agentes foram recebidos à pedrada quando foram chamados a resolver uma resolver uma desavença entre moradores que ocorrera numa festa de aniversário.

Um dos agentes terá ficado seriamente ferido, com uma pedrada na boca. Os moradores dizem, porém, que os agentes partiram diretamente para a agressão, sem terem sido agredidos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.