Catarina Martins quer consumidores a receber o que pagaram a mais na energia

No final da reunião da Mesa Nacional do Bloco de Esquerda Catarina Martins disse esperar que todos os partidos aprovem o relatório da comissão de inquérito às rendas excessivas pagas aos produtores de energia. E que consumidores indemnizados.

A coordenadora do BE, Catarina Martins, quer que sejam retiradas consequências políticas das conclusões da comissão de inquérito às rendas excessivas, para que os consumidores de energia possam ser ressarcidos "do que andaram a pagar a mais".

Conforme foi noticiado pela agência Lusa no sábado, a versão preliminar do relatório final da comissão parlamentar de inquérito ao pagamento de rendas excessivas aos produtores de eletricidade já foi entregue aos deputados pelo relator, o bloquista Jorge Costa, seguindo-se agora a discussão e votação com vista ao relatório final.

"A nossa expectativa é que uma vez que concluímos que houve promiscuidade entre os interesses da EDP e os governos para assinar contratos que favoreceram muito e de uma forma ilegítima a EDP, uma vez que não há fundamentação aceitável para boa parte dessa remuneração, não só que o poder judicial possa fazer o seu trabalho naquilo que possa constituir crime, mas também que do ponto de vista político façamos o nosso trabalho para ressarcir os consumidores de energia do que andaram a pagar a mais até agora", afirmou Catarina Martins.

A coordenadora do BE foi questionada pelos jornalistas sobre esta versão preliminar do relatório na conferência de imprensa que se realizou no final da reunião da Mesa Nacional, órgão máximo do partido entre convenções.

"Tendo todos os partidos colaborado até agora, estranho seria que depois não houvesse a coragem para tirar as conclusões devidas. Bem sei que a EDP é uma empresa muito poderosa no nosso país, mas o parlamento tem de fazer o seu trabalho e não pode ser condicionado pelo poder económico", respondeu.

Na perspetiva de Catarina Martins, o trabalho da comissão de inquérito às rendas excessivas da energia "é seguramente um dos trabalhos mais importantes que está neste momento no parlamento", uma comissão proposta pelo BE, "mas que foi aprovada por unanimidade" e na qual "todos os partidos se empenharam".

"É bom agora que todos continuem empenhados até tirar conclusões e consequências dessas conclusões", desafiou.

Sobre aquilo que já foi possível apurar com esta comissão de inquérito, a coordenadora bloquista considera ser "bastante importante e confirma alguns dos problemas" que o partido tem vindo a identificar.

"O primeiro deles é que a estratégia de privatização levou vários governos, tanto do PSD/CDS como do PS, a conceder garantias de alta remuneração à EDP e que quem está hoje a pagar essas altas garantias, injustificadas garantias de remuneração são os consumidores e, portanto, estamos a pagar muito mais pela energia do que devíamos pagar", apontou.

Para Catarina Martins, "fica ainda claro deste trabalho que essas decisões resultam, em boa medida, de uma grande promiscuidade e de o trânsito constante entre os órgãos de administração da EDP, os cargos de Governo e as assessorias técnicas que não são capazes da independência que foi anunciado".

"Muito pelo contrário, as assessorias que foram feitas são assessorias que estão ligadas diretamente aos interesses da EDP, ou seja, muitas vezes a EDP estive no escritório dos ministros a fazer as leis", criticou.

A coordenadora do BE espera por isso que as conclusões finais desta comissão sejam "remetidas ao Ministério Público".

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.