Incêndios. GNR deteve este ano 100 pessoas

Balanço das mais de 45 mil patrulhas feitas por militares da corporação de 1 de janeiro até hoje. O número de detidos aumentou mas o de incêndios diminuiu

A Guarda Nacional Republicana deteve este ano cem pessoas pelo crime de incêndio florestal, mais 46 do que no mesmo período de 2017, anunciou hoje a corporação.

Em comunicado, a GNR faz um balanço das cercas de 46 500 patrulhas realizadas entre 1 de janeiro e hoje no âmbito da Defesa da Floresta Contra Incêndios, tendo também, neste período, identificado 852 suspeitos pelo crime de incêndio florestal.

O capitão Bruno Ribeiro, do Comando-Geral da GNR, avançou à Lusa que no mesmo período de 2017 foram detidas 54 pessoas pelo crime de incêndio florestal, enquanto este ano as detenções chegaram às 100.

Este ano, a GNR registou também 5 946 crimes de incêndio florestal, menos 3156 do que em igual período de 2017, e 12 335 ocorrências de fogo, menos 8186 do que no mesmo período do ano passado.

Aquela força de segurança registou ainda mais de oito mil autos de contraordenação, essencialmente relacionadas com a falta de limpeza de terrenos e queimadas.

A GNR sustenta que assumiu como uma das suas prioridades para este ano a prevenção dos incêndios florestais, tendo vindo a desenvolver um esforço significativo através da realização de ações de sensibilização e fiscalização.

Nesse sentido, refere que através das valências de proteção da natureza e ambiente, territorial, investigação criminal, bem como do Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro (GIPS), adotou um dispositivo de patrulhamento e vigilância reforçado, com "especial incidência nas áreas dos interfaces urbanos florestais, dada a sua maior vulnerabilidade e perigosidade face à ocorrência de incêndios florestais".

Exclusivos