Hospitais privados dizem não ter recusado colaborar com SNS e querem plano da tutela

A associação diz que a disponibilidade dos hospitais privados se mantém e insiste que, "tal como os portugueses, [os hospitais privados] desconhecem a existência de qualquer plano de atuação".

Numa resposta enviada à Lusa, a Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP), que na quarta-feira se reuniu com a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT), diz que "em momento algum os hospitais privados recusaram colaboração" e que ficou decidido que a ARSLVT os informaria do plano que teria, para analisarem "em que termos os hospitais privados deveriam intervir".

"A declaração do presidente da ARS Lisboa e Vale do Tejo, num posicionamento pouco institucional e nada adequado ao momento sério que o SNS atravessa contrasta, aliás, com o que tem acontecido com outros dirigentes", critica a APHP.

A associação diz que a disponibilidade dos hospitais privados se mantém e insiste que, "tal como os portugueses, [os hospitais privados] desconhecem a existência de qualquer plano de atuação" e que "sem esse instrumento não é possível tomar decisões".

"Os hospitais privados estão a desenvolver a sua atividade com normalidade e, se for necessário afetar recursos de outra forma, por conveniência e necessidade do sistema de saúde, terá então de se reorganizar as estruturas de acordo com o plano que estiver definido", refere a nota.

Criticando a posição assumida publicamente pelo presidente da ARSLVT, a APHP lembra que, no caso da ARS Norte, por exemplo, "houve solicitação da capacidade instalada e tem havido diálogo com os prestadores no sentido de encontrar soluções para problemas concretos. Refira-se também que a Entidade Reguladora da Saúde inquiriu os hospitais privados sobre a capacidade instalada e essa informação foi atempadamente remetida", acrescenta.

Os privados recordam ainda que, no âmbito da pandemia de covid-19, "cederam ventiladores, cumpriram as diretivas da DGS em relação às cirurgias não urgentes e às consultas planeadas, remeteram informação sobre capacidade instalada, reservaram camas a pedido de hospitais do SNS".

Dizem ainda que têm estado a recuperar a atividade que não pôde ser realizada no período do confinamento e que, "tendo mantido a oferta, estão a permitir a redução da carga sobre o SNS, ao mesmo tempo que contribuem de forma ativa para a realização de centenas de testes COVID e para a atividade cirúrgica de doentes do SNS".

Sobre a posição assumida pelo presidente da ARSLVT, a associação afirma: "Esta descoordenação detetada torna evidente que deve ser o Ministério da Saúde a centralizar os contactos, sem ruídos localizados que provoquem os mal entendidos como o de ontem, a estabelecer o plano de atuação para a covid e a resposta aos doentes não-covid e a definir em que termos pretende que os hospitais privados deem a sua colaboração."

"Disponibilidade existe, mas a sua efetivação depende de uma proposta concreta por parte do Ministério da Saúde", afirmam.

Os privados viram-se envolvidos, em abril, numa polémica sobre o pagamento dos custos dos doentes que a eles recorreram, sem terem sido reencaminhados pelo Serviço Nacional de Saúde, no âmbito da pandemia de covid-19.

Na altura, quando confrontada sobre este assunto, a ministra da Saúde esclareceu que o Estado só asseguraria os custos dos tratamentos dos doentes encaminhados pelo Serviço Nacional de Saúde.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG