Visitante cai em obra exposta em Serralves e está hospitalizado

Um homem sofreu ferimentos na segunda-feira ao cair na obra "Descida para o Limbo", de Anish Kappor, um fosso com 2,5 metros de profundidade, e encontra-se ainda internado no Hospital de Santo António

Serralves está a acompanhar a situação clínica do visitante italiano, com cerca de 60 anos, que sofreu ferimentos quando caiu naquela escultura, que inclui um fosso com "cerca de 2,5 metros de profundidade", que, devido aos danos, "está já a ser intervencionada e será reaberta ao público".

Fonte de Serralves referiu que "foram cumpridas todas as medidas de segurança protocoladas", designadamente a assinatura de um termo de responsabilidade e o acompanhamento de um assistente de sala na visita à obra.

A direção de Serralves decidiu, contudo, reforçar essas medidas de segurança "para diminuir riscos", aumentando e reforçando "a dimensão da sinalização visual" colocada no local.

A zona onde se encontra a obra "Descent into Limbo" está isolada e será reaberta assim que a intervenção na obra estiver concluída.

Esta obra é a mais antiga da mostra "Anish Kapoor: Obras, Pensamentos, Experiências", que conta com quatro grandes trabalhos do escultor e a nunca antes exposta "Language of Birds".

A primeira mostra individual em Portugal da obra de Anish Kapoor, um dos mais importantes escultores contemporâneos, inclui quatro peças distribuídas pelo Parque de Serralves, acompanhadas por uma escultura no museu e 56 maquetas concebidas pelo artista ao longo dos últimos 40 anos, estando patente até 06 de janeiro de 2019.

"Descent into Limbo" ("Descida para o limbo") é a escultura mais antiga patente na exposição e cujo título se inspira numa obra homónima do pintor renascentista Andrea Mantegna, que surge do interesse do artista "pelo jogo formal e metafórico entre luz e escuridão, interior e exterior, o contido e o infinito", de acordo com a Fundação de Serralves.

Anish Kapoor nasceu em Mumbai, na Índia, em 1954, e na década de 1990 alcançou reconhecimento internacional como membro da geração de novos escultores britânicos, tendo desde então desenvolvido uma vasta obra, como por exemplo "Cloud Gate" (2004), "Marcyas" (2002), "Leviathan" (2011), e "Orbit" (2012).

As suas obras já lhe valeram inúmeros reconhecimentos como o prémio Duemila, em 1990, o prémio Turner, em 1991, e o Padma Bhushan, em 2012.

Duas das caraterísticas do trabalho do escultor são a grande dimensão que têm as suas obras, que para o artista são "parte da linguagem da escultura" e que considera "essencial" para "envolver fisicamente o espectador", e a experimentação de novas possibilidades.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.